“Você ainda compra CD? Como assim?!”. Não parece que faz tanto tempo que as fitas cassete, substitutas dos bolachões de vinil, deixaram de ser novidade por causa da explosão do então recém-chegado compact disc. No entanto, mal nos acostumamos com ele e já chegaram os MP3, os Ipods… Foi para não nos esquecermos desses e de outros utensílios do passado que a jornalista norte-americana Anna Jane Grossman escreveu o livro “Obsolete”. A obra é uma enciclopédia de utensílios perdidos no tempo, com descrições e explicações para o leitor mais jovem entender para que servia, por exemplo, a lista “páginas amarelas”.
livro “Obsolete”
Se para encontrar números de telefone o método mudou, o mesmo vale para realizar as chamadas. Um dos itens obsoletos que Anna cita em seu livro é o orelhão, que, convenhamos, pouco é utilizado nos dias de hoje. Foi nos telefones públicos que nasceu a expressão “cair a ficha”. Sim, os telefones eram acioandos com fichas, não com cartões.

Para cair a grande ficha - Física Marginal

Anna também fala sobre as máquinas de escrever, aparelhos de fax, calculadoras, cartas enviadas pelo correio e até itens que não ficaram necessariamente obsoletos, mas sim fora de moda. É o caso dos shorts curtos de basquete.

Que tal fazermos aqui uma grande lista de itens obsoletos? Eu vou de papel carbono, mimeógrafo e, agora em 2010, titulo de eleitor. O que mais?