Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Os primeiros habitantes do Brasil

14 de julho de 2020

Quando Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil, em 1500, os historiadores calculam que existiam aqui entre 1 milhão e 3 milhões de índios, divididos em 1.400 tribos. Havia três grandes áreas de concentração: litoral, bacia do Paraguai e bacia Amazônica. O processo de extinção dos indígenas foi iniciado no litoral, quando os primeiros núcleos europeus ali se estabeleceram, com matanças, escravização ou transmissão de doenças. Os indígenas não resistiam a doenças como sarampo, varíola e gripe. Entre 1562 e 1563, cerca de 60 mil índios morreram por causa de duas epidemias de varíola, chamadas de peste de bexiga.

Atualmente, existem em torno de 280 mil índios no Brasil, divididos em 206 grupos (etnias) identificados. Cerca de 90 mil deles vivem na região amazônica.

Leia também:
10 curiosidades sobre o descobrimento do Brasil
Como foi o “achamento do Brasil”
Os relatos da chegada de Pedro Álvares Cabral ao Brasil

De onde vieram os índios?

Os antepassados dos índios das Américas vieram da Ásia para o continente americano há 40 mil anos. Eles atravessaram o estreito de Bering (que liga a Sibéria ao Alasca) no período das glaciações.

Os hábitos dos índios

Ótimos caçadores, os índios usam o fogo para tirar o animal da toca, constroem esconderijos no alto das árvores para esperar a caça ou usam cães. O contato com a civilização, porém, alterou a forma de os índios caçar. Hoje alguns usam espingardas.

Algumas tribos gostam mais de pescar que de caçar. Primeiro usam vegetais (tingui ou timbó) para atrair e atordoar o peixe. Depois, agarram-no com as mãos. Outro método que costumam empregar é o de atingir o peixe com flechas de ponta de osso. A civilização também já ensinou algumas tribos a utilizar varas de pescar e anzóis industrializados.

Algumas espécies de larvas de besouro, como as que vivem em troncos de coqueiro, são consumidas por índios brasileiros.

O arco e flecha é o tipo mais conhecido de arma indígena. Existem também o tacape, a borduna (porrete), o chuço (pau com uma ponta afiada feita de ferro) e a zarabatana (canudo comprido usado para disparar setas com a força de um soprão).

As ocas são compartilhadas por famílias de até quarenta pessoas. Filhos, genros, noras e netos moram juntos na maloca do patriarca.

Os índios jamais batem nos filhos.

Os casamentos ainda são arranjados. Ao entrar na puberdade, a garota fica reclusa durante um ano e depois é apresentada aos pretendentes numa festa. Em casa, ouve lições das mulheres mais velhas, aprimora técnicas de artesanato e ajuda a cuidar dos bebês da família.

Algumas tribos aceitam a poligamia. Outras só permitem que o chefe tenha várias mulheres. Um fato curioso é que se o chefe da tribo tem várias mulheres, ele tem a obrigação de tratá-las de forma igual, com a mesma distribuição de alimentos, carinhos e presente, sem privilégios a mais para nenhuma delas.

Uma das modalidades esportivas mais apreciadas pelos índios é a corrida com toras de buriti. Nessa prova, dez índios se revezam carregando toras de madeira que pesam mais de 100 quilos.

Os índios só identificavam os números 1, 2, 3, 4 e “muitos”. Para dizer que havia dez jacarés no rio, falavam “minhas mãos”; se os jacarés eram vinte, “minhas mãos e meus pés”.

Conteúdo extraído do livro “O Guia dos Curiosos-Brasil”

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A Loira do Banheiro existiu de verdade?

A Loira do Banheiro existiu de verdade?

A Loira do Banheiro é uma história baseada numa pessoa de verdade. Pelo menos é uma das versões. E aí tem História. Tudo começa em Guaratinguetá, no interior de São Paulo, em 1880. Por razões de aliança política, o Visconde de Guaratinguetá teria forçado sua filha,...

Luzes na escuridão: curiosidades sobre cavernas brasileiras

Luzes na escuridão: curiosidades sobre cavernas brasileiras

Para o lançamento do primeiro livro "Luzes na Escuridão", em 2017, um grupo de fotógrafos especializados em cavernas - do Brasil e de diferentes partes do mundo - percorreu 5 mil quilômetros por quatro Estados brasileiros: São Paulo, Goiás, Bahia e Minas Gerais. Foram...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This