Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Habitações típicas do Brasil

10 de julho de 2020

Arraial
Nome que se dava a um povoado em que uma praça central era cercada por casas de taipa (parede feita de madeira e recheada com barro e areia).

Casa Colonial
Em meados do século XVIII, um colono tinha uma casa de barro, onde morava com a mulher, os filhos, a mãe, talvez uma irmã solteira e dois escravos, que viviam na senzala no fundo do terreno. Tomava banho (ou melhor, lavava os pés, as partes íntimas e o rosto) no quarto, com o auxílio de uma jarra. Jantava na sala, onde ficava o fogão a lenha. Depois, escolhia entre ir deitar com a mulher na cama de madeira ou na rede,  sem se despir por inteiro,  ou com   a escrava, numa esteira ou no chão.

O brasileiro da classe média não se deitava apenas com sua mulher e com sua escrava. Frequentemente, envolvia-se com mulheres próximas, fossem elas índias, negras, mulatas ou brancas. Tinha também o hábito de apalpar os seios das passantes, além de flertar nas vendas — onde bebericava sua aguardente — ou mesmo nas capelas. O alvo de suas cantadas podia ser uma menina de 12 anos ou a mulher de um conhecido.

Choça
É uma cabana muito humilde, pobre.

Cortiço
Várias famílias compartilham a mesma casa, geralmente um lugar pequeno que não conta com higiene adequada.

Favela
Fenômeno dos grandes centros urbanos. Conjunto de casas populares ou barracos muito pobres. Ocupam terrenos ou morros. Em Canudos (BA), no povoado criado por Antônio Conselheiro, havia um morro chamado Favela. Ele ficou tão famoso que emprestou seu nome a outro morro, este no Rio de Janeiro. Alguns historiadores dizem que isso aconteceu porque os casebres do morro do Rio eram parecidos com os do morro de Canudos. Outros, no entanto, acreditam que o morro do Rio recebeu esse nome porque muitos sol- dados que estiveram em Canudos foram morar ali quando a revolta acabou, em 1897. A partir daí, a palavra favela ganhou o significado que tem hoje.

Maloca
Tipo de habitação indígena que abrigava várias famílias.

Oca
É o nome que recebe a cabana dos índios. A folha da palmeira é o material vegetal mais usado para forrar tetos e paredes dessa habitação.

Opy
Os índios fazem suas festas religiosas em casas que têm esse nome.

Palafita
A palavra significa “paus fixados”. Essas habitações ficam em áreas lacustres e são sustentadas por estacas, que as mantêm sobre as águas. São comuns na região amazônica.

Palhoça
É a casa ou cabana coberta com palha. Ela é encontrada nas regiões tropicais.

Senzala
Casa ou alojamento destinado aos escravos dentro de uma fazenda ou de uma propriedade senhorial.

Taba
É o nome que também se dá a uma aldeia indígena.

Tapera
Do tupi tape’rá, significa “aldeia extinta”. São habitações ou aldeias que foram abandonadas e se encontram em ruínas.

Conteúdo extraído do livro “O Guia dos Curiosos-Brasil”

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Qual é o colégio mais antigo do Brasil?

Qual é o colégio mais antigo do Brasil?

Os colégios mais antigos do país ainda em atividade foram todos fundados ainda na época do Império. O primeiro da lista é o Ginásio Pernambucano, instituição de ensino médio de Recife, que abriu as portas em 1825. Há uma discussão aí sobre a primazia porque a escola...

Livros homenageiam Independência do Brasil

Livros homenageiam Independência do Brasil

O jornalista Marcelo Duarte apresenta dois lançamentos que comemoram a Independência do Brasil. "Memória póstumas do burro da Independência", dedicado ao público infantil (que os papais vão se divertir também) e "Independência ou zero!", uma nova aventura juvenil do...

Pedro Labatut: o militar que virou bicho-papão

Pedro Labatut: o militar que virou bicho-papão

Ele nasceu na cidade de Cannes, França, em 1776 e lutou nas forças de Napoleão Bonaparte. Seu nome era Pierre Labatut ou, como acabou ficando conhecido no Brasil, Pedro Labatut. O que um militar francês veio fazer no Brasil? "Aí tem História", diz o professor Warde...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This