Quadro Independência ou MorteO quadro “Independência ou morte”, de Pedro Américo (1843-1905),  entrou para a história como o retrato do momento da proclamação da Independência. Mas ele foi pintado apenas em 1888, em Florença (Itália), sob encomenda da Corte.

A obra mede 7,6 x 4,15 metros e tem uma sala própria no Museu Paulista, também conhecido como Museu do Ipiranga. Mas o maior quadro de Pedro Américo, também o maior do Brasil, é “Batalha do Avaí”, de 1874. A tela tem 66 metros quadrados e está em exibição no Museu Nacional de Belas-Artes do Rio de Janeiro. Ele levou 26 meses para concluir o trabalho. O pintor Pedro Américo, que nem era nascido em 1822, cometeu alguns exageros:

D. Pedro I tinha acabado de se encontrar com sua amante, Domitila de Castro. Viajava secretamente. É por isso que não podia estar com uma grande comitiva nem usando traje oficial.

D. Pedro I não estava viajando a cavalo. Para viagens longas, só se usava o bom e velho burro.

O grito não aconteceu às margens do riacho do Ipiranga, como sugere a letra do Hino Nacional. O príncipe bradou seu célebre grito no alto da colina próxima ao riacho, onde sua tropa esperava que ele se aliviasse de um súbito mal-estar intestinal.

Leia também:
O que aconteceu no dia seguinte ao da Independência do Brasil?
Curiosidades sobre a proclamação da Independência
Por que Portugal não esboçou nenhuma reação contra a Independência do Brasil?
Pedro Labatut: o militar que virou bicho-papão

Conheça os livros:
Esquadrão Curioso em: Independência ou Zero!
Memórias póstumas do burro da independência