Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Wlamir Marques, o “Pelé do basquete brasileiro”, completa 77 anos

16 de julho de 2014

Wlamir Marques comemora hoje 77 anos. O ex-jogador de basquete integrou a equipe campeã do Mundial de 1963, cuja final contra os Estados Unidos lotou o Maracanãzinho, no Rio de Janeiro. O público, ainda empolgado com a vitória da seleção brasileira de futebol um ano antes na Copa do Mundo, entoava o grito: “É com o pé, é com a mão, o Brasil é bicampeão”. O bicampeonato mundial é até hoje a maior conquista da história do basquete brasileiro. O Diabo Louro, apelido que Wlamir ganhou da turma de repórteres do Jornal do Brasil, consagrou-se o melhor jogador em quadra no torneio. Era o “Pelé do basquete brasileiro”.
Wlamir Marques
Nascido na cidade paulista de São Vicente em 16 de julho de 1937, Wlamir Marques começou a se interessar pelo basquete aos 11 anos, depois de se impressionar com a atuação da seleção brasileira medalhista de bronze nas Olimpíadas de 1948, em Londres. Tratou de ingressar no time infantil do clube Tumiaru, onde começou sua carreira. Em seu aniversário de 13 anos, chorou a traumática derrota do futebol brasileiro para os uruguaios no Maracanã, na final da Copa de 1950, e ainda na adolescência descobriu ser portador de uma anomalia cardíaca grave – a cardiomegalia –, que restringiria sua carga de atividade física.

3257g1

Wlamir Marques, com a camisa 5.

Nada disso desanimou Wlamir. Sem deixar de seguir as recomendações médicas de diminuição de esforço, continuou treinando e desenvolveu uma carreira ímpar no basquete nacional. Pela seleção brasileira, Wlamir foi o cestinha em 53,3% das partidas disputadas, o segundo colocado em 25,7% dos jogos e o terceiro em 14,9%. Com a camisa do XV de Piracicaba foi o maior marcador em 58% das partidas. No Corinthians, foi cestinha em 52% das disputas oficiais. O coração debilitado quase não aguentou a sofrida derrota do Brasil por 110 x 105 contra a União Soviética, nas Olimpíadas de Seul, em 1988. Desde então, Wlamir segue rigorosamente as recomendações médicas de restrição de esforço.
As histórias estão no livro Wlamir Marques – O Diabo Loiro, lançado no ano passado pela Panda Books, em comemoração aos 50 anos do título brasileiro. A biografia é assinada pelo jornalista Auri Malveira,  fã de Wlamir que reuniu depoimentos, informações e documentos sobre a carreira e vida do craque ao longo dos anos.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Em novembro de 1996, o pugilista Evander Holyfield, pentacampeão mundial dos pesos-pesados, desafiou Mike Tyson pelo título da Associação Mundial de Boxe. Holyfield venceu de forma surpreendente ao realizar a proeza de nocautear Tyson no 11º round. Em junho do ano...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This