Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

O vírus contra o futebol

1 de abril de 2020

A pandemia do novo coronavírus paralisou os campeonatos de futebol em praticamente todas as partes do mundo. A UEFA e a Concacaf, por exemplo, adiaram a Eurocopa e a Copa América para 2021. Seria a primeira vez que essas interrupções ocorrem por questões de saúde? “Estamos vivendo um fato inédito do ponto de vista mundial”, diz o jornalista Celso Unzelte, pesquisador, professor, comentarista da ESPN-Brasil e autor da Panda Books. “Mesmo na época da Segunda Guerra, como a América do Sul não era o campo de batalha, a vida continuava normalmente por aqui. As Copas de 1942 e 1946 foram canceladas, mas tivemos os campeonatos sul-americanos.” Celso deu a seguinte entrevista para o “Você é Curioso?” (21/03/20):

Você é Curioso? – É a primeira vez que o futebol para por causa de uma pandemia?
CELSO UNZELTE – Em 1918, o problema era a chamada Gripe Espanhola, mas, nesse caso, o futebol europeu já estava parado. A epidemia veio logo depois da Primeira Guerra, que só acabou em 11 de novembro daquele ano. Tinha futebol no Brasil, e aqui o primeiro caso do surto foi diagnosticado no dia 15 de outubro, em São Paulo. Cinco dias depois, as partidas de futebol foram suspensas de um modo bem abrupto: os torcedores estavam nos estádios quando os agentes de segurança chegaram para dizer que não haveria jogo. O público não quis ir embora, e alguns times resolveram atuar amistosamente — veja como a sociedade não estava preparada para a situação. Naquele dia, três partidas estavam marcadas na capital paulista: no Jardim América, onde até hoje está a sede do Paulistano, Paulistano x Internacional; na Floresta, atual local da Ponte das Bandeiras, São Bento x Minas Gerais; na Avenida Água Branca, aconteceria a inauguração do campo do Ypiranga, com um jogo contra o Mackenzie, que não ocorreu. O campeonato só foi reiniciado em 15 de dezembro e acabou em 19 de janeiro do ano seguinte.

Por conta da pandemia, a construção de Laranjeiras foi paralisada. (Crédito: Flu-Memória / LANCE!)

Foi então uma paralisação rápida?
Sim, relativamente rápida. Não havia a quantidade de jogos que há hoje. Na época, eles decidiram que só seriam realizadas as partidas que envolvessem a decisão do título. Por isso, o Paulistano terminou campeão disputando 15 jogos; o Corinthians foi vice com 17; o Santos ficou em quarto com 13, e o Mackenzie, oitavo, com 11. Isso não aconteceu apenas em São Paulo. No Rio de Janeiro, o campeonato também ficou parado por 56 dias — entre outubro e dezembro, com a final em janeiro de 1919. Um jogador do Fluminense, Archibald French, morreu por causa da Gripe Espanhola. Aliás, o presidente eleito do país, Rodrigues Alves, morreu no Rio antes de tomar posse. No Rio Grande do Sul, os jogos também foram cancelados. O primeiro campeonato gaúcho ocorreria em 1918, ano em que a Federação foi criada. Seria um triangular entre Cruzeiro (campeão da região de Porto Alegre), Brasil de Pelotas e o 14 de julho (de Santana de Livramento, na região da fronteira com o Uruguai). O campeonato só aconteceu no ano seguinte, mas com a participação de outros clubes e o Brasil de Pelotas foi campeão. Cem anos depois, os times de 1918 tentaram fazer com que a federação reconhecesse todos eles como vencedores do campeonato que não teve, mas a entidade discordou.

Time de 1918 do Paulistano (Créditos: Centro Pro-Memória/Paulistano)

Hoje, alguns clubes profissionais estão oferecendo suas instalações para atender gente doente. Na época da Gripe Espanhola, os clubes de futebol fizeram o mesmo?
Sim, principalmente o Paulistano e o Palmeiras, que ainda se chamava Palestra Itália. Na sede social do Palestra, localizada no centro da cidade, havia uma enfermaria com 31 leitos. O time também doou 500 mil réis mensais para os órgãos de saúde. Houve um engajamento muito grande da sociedade contra a Gripe Espanhola, e pessoas ligadas ao Palestra Itália criaram um grupo de apoio às famílias dos enfermos. Graças aos clubes, empresários doaram cestas de alimentos. Conseguiram até ambulâncias para o tratamento de doentes. O Paulistano também cedeu espaço em sua sede, no Jardim América. O futebol se mobilizou naquela época, como agora também.

Pacientes da Gripe Espanhola na cidade de São Paulo em 1918

Houve algum time rebaixado nessas competições?
Não. Nessa época, felizmente para a ordem dos campeonatos, não havia o rebaixamento, que é um outro grande problema dos dias de hoje. Os clubes podem até pode resolver, por consenso, qual será o campeão. Mas a questão dos rebaixados é complicada, pois envolve os times que têm direito a subir de outra divisão.

Mais recentemente, nos anos 1970, nós tivemos o surto da meningite em São Paulo. Em algum momento se falou em paralisar o futebol por aqui?
Futebol, especificamente, não. Mas os Jogos Pan-americanos de 1975, sim. Eles estavam marcados, inicialmente, para Santiago do Chile, mas houve o golpe militar de Pinochet em 1973. Logo depois de tomar o poder, a junta militar abriu mão do Pan. Então, São Paulo assumiu a empreitada, e as competições deveriam ter ocorrido aqui. Em outubro de 1974, porém, a cidade abdicou da competição, alegando oficialmente riscos à saúde dos participantes por causa da epidemia de meningite. Essa é uma das versões, a oficial, do então presidente do COB [Comitê Olímpico Brasileiro], major Sylvio de Magalhães Padilha. Uma outra versão dá conta de que não havia verbas. O advogado Alberto Murray Neto, neto do major Padilha, confirma ter ouvido do avô que o então ministro da Educação e Cultura, Ney Braga, afirmara não haver dinheiro, mas a justificativa do governo seria o surto de meningite. Existia censura da imprensa vigente, não era interessante que se divulgasse os números daquele surto, que foi bem grande no Brasil.

Por que o surto do vírus ebola não cancelou a Copa da África de 2014?
Ela deveria ter acontecido no Marrocos, mas o país pediu para adiar por causa do avanço ebola. A federação africana não concordou e mudou a sede do torneio para a África do Sul. O campeonato ocorreu em pleno surto da doença, que se espalhava desde o final de 2013. Quando a epidemia acabou, cerca de 11 mil pessoas tinham morrido.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A volta dos Botões Brianezi

A volta dos Botões Brianezi

Desde o final de 2020,  o empresário Alexandre Badolato passou a ser chamado de "Alexandre da Brianezi". Depois de 20 anos fora do mercado, a Botões Brianezi voltou a existir por causa de um acordo feito entre ele e Lúcio Brianezi, herdeiro da marca. Paulo Brianezi,...

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This