JULES RIMETJules Rimet, fundador e então presidente da FIFA, foi o principal impulsor da primeira Copa do Mundo, realizada em 1930 no Uruguai. A ideia teria partido dele mesmo, em 1924, depois de se impressionar com as habilidades futebolísticas dos uruguaios nas Olimpíadas daquele ano. A FIFA, desacreditada na capacidade daquele minúsculo país latino-americano praticamente desconhecido, tentou boicotar Rimet, mas ele insistiu e, enfim, conseguiu fazer vingar seu bem-sucedido projeto.

Essa é a história oficial, contada pela primeira vez no livro História maravilhosa da Copa do Mundo, do próprio Jules Rimet, publicado em 1955. Os fatos, no entanto, parecem ter sido um tanto distorcidos. O investigador franco-uruguaio Pierre Arrighi encontrou na internet uma vasta documentação – composta por atas de congressos, livros raros, cartas e telegramas – que contradiz quase todos os pontos do relato oficial. Essa nova versão foi publicada na edição de junho da revista mensal uruguaia Lento.  O que diz Pierre Arrighi:

1. A ideia de se fazer um campeonato mundial de futebol não surgiu em 1924, como atesta Jules Rimet. O primeiro pronunciamento oficial sobre um projeto do tipo aconteceu no congresso da FIFA de 1928. Antes disso, há relatos de projetos vagos, contraditórios e majoritariamente voltados a um torneio europeu.

2. O principal impulsor do projeto dentro da FIFA não foi Jules Rimet, mas o francês Henri Delaunay, na época secretário geral da Federação Francesa de Futebol. Desde que organizou as Olimpíadas de 1924, em Paris, ele se mostrava altamente favorável a um campeonato internacional de futebol.

3. Em 1928, quando a FIFA finalmente adotou a ideia, os países interessados em sediar a competição foram convocados a enviar candidaturas. Seis países entraram na disputa: Holanda, Hungria, Suécia, Itália, Espanha e… Uruguai, que contava com o apoio de todos os países afiliados da Confederação Sul-Americana de Futebol.

4.  Jules Rimet então mostrou as caras com um projeto financeiro para a realização do Mundial. Mas, ao contrário do que diz a versão oficial, o pesquisador Arrighi garante que ele nunca apoiou a candidatura do Uruguai. Na verdade, excluía a possibilidade de uma candidatura americana, já que isso acarretaria um alto custo de viagem às equipes europeias. O projeto de Rimet foi prontamente recusado pela FIFA.

5. O Uruguai não foi escolhido como país-sede devido à atuação nas Olimpíadas anteriores, como diz a versão oficial. Também não há registro da interferência de Jules Rimet na discussão sobre a definição da sede. Na verdade, em cima da hora, todos os outros países retiraram suas candidaturas, com medo de não conseguir organizar um torneio mundial no prazo de apenas um ano. O bloco europeu ainda tentou boicotar o evento, fazendo propaganda contra o campeonato. A França chegou a declarar que não participaria mais do torneio e jornais alemães e austríacos alardearam que a Copa seria um fracasso, já que o Uruguai não conseguiria cumprir com os requerimentos econômicos.

TAÇA JULES RIMET

6. Quando a candidatura do Uruguai foi aprovada, Jules Rimet não assumiu o compromisso de participar da organização, como diz a versão oficial. Na verdade, ele se aliou ao grupo de boicote ao mundial ao apresentar à FIFA um projeto alternativo: a realização de um campeonato europeu paralelo à Copa América. O título mundial seria então disputado entre os vencedores de cada torneio. Mais uma vez, a proposta de Rimet foi um fiasco, sendo prontamente recusada. Foi só aí que ele aceitou a ideia de apoiar a realização da primeira Copa do Mundo no Uruguai.