Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Eu e os jogos da Seleção Brasileira

28 de junho de 2010

Enquanto o Brasil se preparava para entrar em campo e enfrentar o Chile, esta noite, eu estava no gramado do Loftus Versfeld, em Pretoria, vendo a Seleção do Paraguai fazer o “reconhecimento do gramado”.  Os jogadores entraram de agasalho. Alguns tiraram fotos com suas câmeras digitais, outros ficaram conversando ao celular. Andaram pelo campo por 3 ou 4 minutos. O técnico Gerardo Martino e o meia Riveros foram para a sala de imprensa, lotada, e falaram aquilo de sempre sobre  o jogo de amanhã contra o Japão. A coletiva acabou às 20h25. Deu tempo de correr e acompanhar o primeiro tempo da partida do Brasil pela TV do centro de imprensa. A torcida ali era toda do Chile. Por isso, no segundo tempo, fomos – o editor Caio Salles e o motorista Pierre Lombard – rapidinho para  um restaurante ao lado do estádio.
Por uma grande coincidência,  em todos os jogos do Brasil nesta Copa  tem sido mais ou menos assim. Na estreia contra a Coreia do Norte, por exemplo, eu estava numa cidade chamada Kroonstad, que nem é uma das sedes da Copa. Ela fica na metade do caminho entre Bloemfontein e Johanesburgo. Paramos para dormir na cidade e fomos ver o jogo num restaurante. Acho que éramos a única mesa interessada no jogo.  Contra a Costa do Marfim, eu estava cobrindo o treino da Seleção Espanhola no mesmo horário. Também tive que me contentar em ver o jogo na TV da sala de imprensa. Pelo menos, daquela vez, a torcida era verde e amarela. Quando Luís Fabiano abriu o marcador, um jornalista espanhol gritou: “Gol do Sevilla!”.
Para a  terceira partida, contra Portugal, fui enviado para o território inimigo. Fiz uma reportagem sobre a torcida no Futebol Clube Sporting, um clube da colônia portuguesa em Johanesburgo. Havia umas 30 pessoas no restaurante do clube, devorando tremoços e bolinhos de bacalhau, e virando copos de caipirinha. É bem complicado torcer na torcida adversária. Pelo menos, com o 0 x 0, sai são e salvo de lá.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A volta dos Botões Brianezi

A volta dos Botões Brianezi

Desde o final de 2020,  o empresário Alexandre Badolato passou a ser chamado de "Alexandre da Brianezi". Depois de 20 anos fora do mercado, a Botões Brianezi voltou a existir por causa de um acordo feito entre ele e Lúcio Brianezi, herdeiro da marca. Paulo Brianezi,...

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

2 Comentários

2 Comentários

  1. beth

    Que chato!!!
    Mas pelo menos deu pra ver, né?

    Responder
  2. Antonio Mier

    Por aqui (no Brasil) as coisas estão bem diferentes. A grande maioria está empolgada com a seleção e as ruas das cidades (onde não há telões) estão ficando desertas.
    Agora uma pergunta: tem certeza que quem te coloca para assistir um jogo do Brasil em território inimigo é teu amigo ????? rs…

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This