pará

O Forte do Castelo, marco de fundação da cidade de Belém, foi construído em 1616. Deveria proteger a entrada do Amazonas das pretensões de franceses, ingleses e holandeses. No princípio, era feito de barro e madeira. Depois foi reconstruído em pedra.

O nome oficial da capital costumava ser Santa Maria de Belém do Grão-Pará.

O Mercado Ver-o-Peso, tradicional ponto-de-venda de frutas, verduras e especiarias, foi instalado na rua do cais, no centro de Belém. Às margens do igarapé Piry, em 1688, canoas paravam para trocar produtos entre si. Esse comércio deu origem ao mercado. Cerca de 200 mil pessoas passam por ali diariamente, onde são vendidas frutas como umari, grumixama, puruí, guajará, pajurá e taperebá. Outra curiosidade é a cabeça de pica-pau, vendida como parte de uma receita para curar impotência.

O Teatro da Paz, um dos mais bonitos e ricos do país, foi inaugurado em 1878.

Os militares construíram um campo secreto na Serra do Cachimbo para testes nucleares. Seria ali que eles explodiriam a bomba atômica caso o Brasil resolvesse fabricá-la.

A parteira Mãe Valéria era uma personagem muito conhecida em Belém no final do século XVIII. Depois de sua morte, por afogamento, ela passou a ser motivo de devoção.

O americano Henry Ford precisava produzir borracha para os seus veículos. Em 1928, ele recebeu do governo brasileiro 1,05 milhão de hectares de terra no Pará. Ford plantou 1,9 milhão de seringueiras, construiu casas e um hospital para seus 5 mil funcionários. A região, que consumiu 2 milhões de dólares, foi chamada de Fordlândia. Antes de começar a extração da borracha, fungos destruíram as árvores e Ford desistiu de seus planos.