PRESERVATIVO / CAMISINHAOs franceses chamam a camisinha de capote anglaise (capote inglês). A expressão nasceu quando ainda não se falava em prevenção da Aids. Usar camisinha, naquela época, era considerado uma frescura. Ofendidos, os ingleses rebateram. Criaram a expressão french disease (doença francesa) para se referir a doenças venéreas.

No Brasil, o preservativo recebeu o nome de camisa-de-vênus numa alusão a Vênus, deusa do amor.

Parte dos preservativos que não passam no controle de qualidade são vendidas a fábricas de brinquedos. As camisinhas, que têm a ponta cortada para evitar revenda, são utilizadas como uma espécie de diafragma para fazer as bonecas chorarem.

Os habitantes de Komi, na Rússia, compravam bebidas vendidas em grandes tonéis que ficavam nas ruas e precisavam de garrafas para fazer o transporte até suas casas. Na falta das garrafas, um homem descobriu que camisinhas russas eram tão grossas e resistentes que poderiam ser usadas como recipientes ideais para levar a bebida: carregavam até 3 litros.

CAMISINHAS DE VÁRIOS TIPOS

Durante muitos anos, os habitantes de Condom lamentaram o nome dessa cidade francesa. Até que, em 1997, o prefeito resolveu que a cidade deveria ser a capital mundial do preservativo. Numa antiga garagem da Citröen, por exemplo, ele deu incentivo fiscal para a abertura de uma fábrica de camisinhas. Anos mais tarde, Condom inaugurou também o primeiro museu de preservativos do mundo, com 1.800 peças. Agora, a cidade recebe 300 mil visitantes por ano.

O governo norte-americano vendeu um grande lote de 50 milhões de preservativos para o Egito, mas descobriu-se depois que a maior parte deles foi comprada por grandes atacadistas, que enviaram os preservativos para as zonas rurais. Eles foram vendidos como balões para crianças.

A polícia peruana prendeu em flagrante Juan Cordova e Jose Guzman, que faziam um comércio bem desonesto. Durante o dia, numa rua muito frequentada por casais de namorados, eles recolhiam os preservativos usados. Depois, os lavavam e voltavam à noite ao local para vender as camisinhas como novas.

Em Sri Lanka, um homem pode ser detido se estiver andando com um preservativo no bolso ou na carteira.

Um juiz em Toronto, no Canadá, condenou Charles Tumwesigye a 45 dias de prisão por ter tirado a camisinha no meio da relação sexual, sem a autorização de sua parceira.

A propaganda e a distribuição de camisinhas só foi liberada no Brasil em 1979. A primeira propaganda foi do preservativo Involve na revista Playboy.

Em 2002, a banda de rock Kiss lançou uma linha de preservativos com seu nome. As embalagens trazem fotos dos integrantes estampadas. A primeira série, em látex roxo, chama-se Tongue Lubricated (Língua Lubrificada). Ainda há uma a imagem do guitarrista Paul Stanley, batizada de Studed Paul (Paul Garanhão), e outra com o nome Love Gun Protection (Arma de Proteção Amorosa).