Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Sidney Sheldon: o centenário de nascimento do criador de “Jeannie é um Gênio”

11 de fevereiro de 2017

Sidney Schechtel nasceu em Chicago, no Illinois, Estados Unidos, em 11 de fevereiro de 1917. Muito antes de adotar o nome artístico de Sidney Sheldon, o garoto ajudou a família durante a grande crise de 1929 e, aos trancos e barrancos, conseguiu estudar e se preparar para a carreira artística. Como roteirista, assinou 22 filmes entre 1941 e 1979. Multifacetado, teve um breve hiato em sua carreira hollywoodiana para roteirizar espetáculos da Broadway. Mesmo com uma carreira consagrada no teatro e no cinema, resolveu se aventurar na televisão, onde escreveu ou produziu nove seriados e minisséries entre 1963 e 1991, entre eles “Jeannie é um Gênio” e “Casal 20”. Fez um total de 250 roteiros para a TV.

Sidney Sheldon nasceu em 11 de fevereiro de 1917

Na literatura, começou a publicar aos 52 anos, quase sem querer. Achou o texto de A Outra Face complexo demais para a TV e para o cinema e resolveu publicá-lo em forma de livro. Seus 18 romances, escritos entre 1970 e 2004, venderam 300 milhões de cópias em 180 países e 50 idiomas. Ele é considerado o romancista mais traduzido do mundo. Uma peça teatral em Londres e uma autobiografia completam a produção artística de Sheldon. Ele morreu em 30 de janeiro de 2007, aos 89 anos. No dia do centenário de seu nascimento, recordamos 10 curiosidades sobre sua carreira.

1. Sidney Scheldon vendeu seu primeiro poema por 5 dólares. Ele tinha 10 anos. Aos 17 anos, vivendo muita dificuldade por causa da Grande Depressão que assolou a economia americana e sofrendo de transtorno bipolar, ele tentou o suicídio. Em 1937, já com 20 anos, mudou-se da pobreza de Chicago para Hollywood e lá começou a ler e resumir roteiros para facilitar o trabalho de escolha dos produtores.

2. Em seguida, começou a escrever argumentos de filmes. O primeiro que conseguiu vender foi o de Mr. District Attorney in the Carter Case, em 1946. A produtora RPC pagou 250 dólares para a dupla formada por ele e pelo colega de pensão Ben Roberts. Os dois escreveram ainda o roteiro do filme.

Cartaz promocional do primeiro filme roteirizado por Sidney Sheldon

3. Em 1947, teve seu terceiro roteiro aprovado: com The Bachelor and The Bobby Soxer, que no Brasil se tornou O Solteirão Cobiçado, ele faturou o Oscar de Melhor Roteiro Original em 1948.

Richard Nuggent (Cary Grant) é disputado por Susan (Shirley Temple) e Margaret (Mirna Loy) em “O solteirão cobiçado”

4. O filme premiado marcou a volta do roteirista  à Hollywood. Depois de deixar o Exército, por problemas de saúde, ele se mudou para Nova York e roteirizou quatro espetáculos da Broadway. O primeiro deles foi uma adaptação da ópera The Merry Widow (onze anos antes a história havia sido adaptada para um filme que chegou ao Brasil com o nome de A viúva alegre). Entre 1959 e 1960, Sheldon faria mais dois espetáculos na Broadway. Ele foi o único autor a ganhar os três prestigiados prêmios – Tony Award (teatro), Oscar (cinema) e Edgar Allan Poe Award (literatura de suspense, como se lerá mais abaixo).

5. Com a ascensão da televisão nos Estados Unidos, Sidney resolveu se arriscar nesse meio. Em dupla com William Asher, criou The Patty Duke Show, que foi ao ar na ABC em 1963. Foram três temporadas e 104 episódios.

6. Ainda enquanto The Patty Duke Show estava no ar, Sidney Sheldon estreou em 1965 a série I Dream of Jeannie, que fez sucesso mundial. A história do piloto da Força Aérea Americana, Anthony Nelson, que cai em uma ilha e encontra Jeannie chegou ao Brasil na extinta TV Paulista em 1966 com o nome de Jeannie é um gênio. Interpretada por Barbara Eden, escolhida pelo próprio Sheldon, Jeannie se apaixonou pelo major Nelson e foi morar na casa dele. Ela vivia dentro de uma garrafa e o chamava de “amo”.

“Jeannie é um Gênio” estreou no Brasil em 1966

7. Jeannie é um gênio deixou de ser produzida em 1970. Foram 139 episódios no total, divididos em cinco temporadas. No mesmo ano, Sheldon publicou seu primeiro livro. Com The Naked Face, ele foi indicado ao renomado Edgar Allan Poe Award, principal prêmio da literatura de suspense. O romance foi traduzido para o português sob o título de A outra face.

8. A carreira de escritor decolou rapidamente. Já com o segundo romance, The Other Side of Midnight (O outro lado da meia-noite), de 1973, ele figurou 53 semanas no topo da lista de livros mais vendidos do jornal “The New York Times”. Dos seus 18 livros, todos entraram na lista dos mais vendidos e cinco viraram minisséries para a TV entre 1983 e 1991.

“The other side of midnight” foi um dos cinco livros de Sheldon adaptados para o cinema e para a TV

9. Sheldon gostava de mergulhar no universo das suas personagens. Em 1987, ele viajou para a Romênia e para a Argentina e passou um bom tempo em Junction City, no estado americano do Kansas. Tudo para compor a personalidade de Mary Ashley, uma professora universitária do livro Windmills of the gods (Um capricho dos deuses). Em uma entrevista também em 1987, ele declarou: “Se eu escrevo sobre um lugar, preciso ir até ele”.

10. Outra característica fundamental de suas obras é a força feminina. Em geral, as protagonistas são mulheres bem-sucedidas e fortes. Segundo o autor, o traço fundamental dessas personagens era uma feminilidade que os homens não podiam comparar.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Os 50 anos do “Manual do Escoteiro Mirim” no Brasil

Os 50 anos do “Manual do Escoteiro Mirim” no Brasil

A Editora Abril lançou no Brasil o primeiro "Manual do Escoteiro Mirim" em julho de 1971. A edição de capa dura, com 13cm x 19,5cm, tinha um total de 264 páginas. A edição original - "Manuale delle Giovani Marmotte" - tinha sido publicada na Itália pela Editora...

Caubóis e dinossauros no Vale de Gwangi

Caubóis e dinossauros no Vale de Gwangi

Em 1969, Jim O'connolly dirigiu o filme “O Vale de Gwangi”. Ambientado no final do século XIX, no novo México, “O Vale de Gwangi" colocou, lado a lado, caubóis e dinossauros! O filme é estrelado por James Franciscus, que vive o papel do vigarista Tuck Kirby. O vilão...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This