O especialista Magalhães Júnior mergulhou em seu acervo da história da TV para revelar curiosos programas das décadas de 1950 e 1960 que, se não marcaram época, criaram formatos que depois foram exaustivamente repetidos:

 

 

 

 

“Vai graxa, dotô?” e “Cadeira de barbeiro”
Dois programas de entrevista nos anos 1960 tinham toques de humor. O primeiro se chamava “Vai graxa, dotô?”. Foi apresentado em 1962 pela TV Excelsior. O comediante Walter Stuart era um engraxate, que entrevistava seu cliente (em geral, uma personalidade), enquanto dava lustro nos seus sapatos. Artistas, esportistas, cantores e políticos sentaram-se em frente à caixa de madeira e batiam um papo informal, com a dose certa de humor. O outro programa tinha praticamente a mesma pegada, mas já era conhecido do público. “Cadeira de barbeiro” foi criado por Aloysio Silva Araújo e exibido pela TV Paulista, canal 5, em 1963. O próprio Aloysio era o barbeiro italiano Papanatas, que conversava sobre a situação do país com seu cliente (um cliente interpretando um personagem ou alguma personalidade nacional). A barbearia de Papanatas tinha ainda uma manicure e um engraxate. Este programa foi revivido no final dos anos 1980 pelo ator Cacá Rosset, na extinta TV Manchete. Baseava-se na concepção de Aloysio Silva Araújo e tinha a atriz e cantora Lucinha Lins no papel de manicure.
“La Revue Chic”
Em 1962, Jô Soares estreou na TV, aos 24 anos, como roteirista de um dos programas mais famosos da época: o “Simonetti Show”, que misturava música e humor, com o maestro Enrico Simonetti à frente de sua orquestra. No ano seguinte, Jô estreava seu primeiro programa na TV Record: “La Revue Chic” (“A Revista Elegante” em português). O programa de variedades foi concebido, escrito e apresentado pelo Jô Soares. Tinha humor, jornalismo, entrevistas e até desfile de modas. Jô era coadjuvado pelo também ator e comediante Durval de Souza.
“O mundo é das Mulheres” e “Show de Mulheres”
Nos anos 1950 e 1960 havia muitas mulheres apresentando programas de televisão. Eram mulheres falando para mulheres em programas de culinária, moda, beleza, horóscopo. Bem, havia um programa apresentado por mulheres, mas que atraía, e muito, a atenção masculina, “Maiôs à beira-mar” (TV Paulista, 1963), mas isso é outra história. No final dos anos 1950, “O Mundo é das Mulheres”, na TV Paulista, tinha Hebe Camargo no comando e a colaboração de outras mulheres, como Heloisa Mafalda, Yara Lins, Branca Ribeiro e Riva Blanche. Elas entrevistavam personalidades masculinas de igual para igual. Em 1967, o “Show de Mulheres”, na TV Bandeirantes, tinha as vedetes Marivalda, Marly Marley, Célia Coutinho e Annik Malvil cantando, dançando, entrevistando e fazendo humor. A travesti Rogéria fazia participação especial também.
“Aliança (s) para o sucesso” 
Em 1963, a TV Record lançou um programa de variedades (música, humor, reportagens, entrevistas) chamado “Aliança para o sucesso”, sob o comando da deputada estadual Conceição da Costa Neves. Cinco anos depois, a mesma TV Record apresentaria o programa “Alianças para o Sucesso” (aliança no plural), apresentado por Paulo Planet Buarque. Era uma disputa entre três casais convidados. Na primeira parte, os maridos respondiam perguntas sobre as suas esposas e depois as mesmas eram confrontadas em suas respostas. Num segundo momento, era a vez de as mulheres responderem sobre os seus maridos.
“Esta é a sua vida”
Programa criado na TV Record em 1967 pelo jornalista Carlos Gaspar e repetido depois em diferentes épocas e emissoras. A ideia era apresentar a vida de uma personalidade com ela presente no palco, sem saber antecipadamente que seria homenageada. Os convidados eram surpreendidos pela presença de pessoas que fizeram parte da sua vida.