Por dentro do “Catálogo da ACME Company”

17 de março de 2021

Publicado em 2006, o “Catálogo da ACME Company” tem 100 páginas com traquitanas fictícias, que satirizam os catálogos de vendas de produtos por correspondência. Há patins a jato, bigornas de 1.500 quilos, tinta especial para pintar entradas de túnel, pula-pula a jato, pistola desintegradora e também pistola integradora (“todo mundo merece uma segunda chance”, diz o anúncio).

No programa “Olá, Curiosos!”, o especialista em quadrinhos Marcelo Alencar mostrou “Mail-Order Mysteries”, de Kirk Demarais. Em 150 páginas, o autor reproduz anúncios de produtos exóticos mas verdadeiros, que foram anunciados em revistas das décadas de 1960 a 1980, como óculos de raio-x, terra do castelo do Conde Drácula, almofada que solta pum, pó-de-mico e kikos marinhos.   Por fim, “Hey Skinny!”, de Miles Beller, reproduz anúncios clássicos em revistas em quadrinhos dos anos 1940 a 1960, como chicletes que prometem emagrecer, selos com a efígie do ditador Adolf Hitler e até uma arma de brinquedo para crianças renderem bandidos de verdade (é sério isso?)

Prev 1 of 1 Next
Prev 1 of 1 Next

O “Catálogo da ACME Company” está esgotado. Só é possível encontrar exemplares de colecionadores ou usados.

Você sabe a história e o que significa a sigla ACME?

Nota de transparência: os links acima têm códigos de programas de afiliados. Os preços não mudam, mas o canal poderá ganhar uma comissão da Amazon.

Artigos Relacionados

Preconceito e racismo nos quadrinhos da Segunda Guerra

Preconceito e racismo nos quadrinhos da Segunda Guerra

Durante a Segunda Guerra Mundial, além de filmes e desenhos animados, histórias em quadrinhos recheadas de preconceito e racismo fizeram parte da propaganda bélica. Em 1940, por exemplo, surgiram os "super-heróis com tema patriótico". O primeiro foi "The Shield” e, 14...

O lado sombrio das princesas

O lado sombrio das princesas

Em 2000, os Estúdios Disney lançaram a franquia Disney Princess (Princesas Disney) com o maior sucesso. O que poucas crianças sabem é que boa parte delas são baseadas em contos de fadas muito antigos - e um tanto sombrios. Mas, para garantir uma boa bilheteria, Walt...

Quando os desenhos foram para a guerra

Quando os desenhos foram para a guerra

Durante a Segunda Guerra Mundial, os desenhos animados foram uma poderosa ferramenta da propaganda de guerra. Não só para os americanos. Em 1942, a Paramount Pictures lançou um desenho com o Marinheiro Popeye derrotando um navio de guerra japonês. No ano seguinte,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This