Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Curiosidades sobre a estatueta do Oscar

24 de abril de 2019

O troféu mede 34 centímetros e pesa 3,850 quilos. É composto de 92,5% de estanho e 7,5% de cobre, folheado a ouro catorze quilates.

Em 1945, cada estatueta passou a receber um número de série, para evitar falsificações. Mas a medida não inibiu os falsificadores. Isso porque, de acordo com a lei, o Oscar pode ser copiado, já que as primeiras peças não tinham a inscrição copyright, que indica uma imagem protegida.

O custo de fabricação de cada um é de 150 dólares. Os vencedores assumem o compromisso de nunca vendê-los, a não ser para a própria Academia e pelo preço simbólico de 10 dólares. Mesmo assim, em um leilão de 1993, o Oscar que Vivien Leigh ganhou em 1940 foi arrematado por 562 mil dólares.

O design da estatueta não mudou, porém, em algumas ocasiões, diferentes versões foram fabricadas. Em 1938, o ventríloquo Edgar Bergen e seu boneco Charly McCarthy receberam uma estatueta de madeira com uma pequena boca. Já em 1938, Walt Disney recebeu um Oscar especial pelo longa “Branca de Neve e Os Sete Anões”: uma estátua grande e sete pequenas.

Com a escassez de metais durante a segunda Guerra Mundial (1939- 1945), as estátuas do Oscar foram feitas com gesso; após o término dos conflitos, os vencedores puderam trocá-las pela versão original em ouro.

 

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

O dia em que o Capitão 7 disse não a Assis Chateaubriand

O dia em que o Capitão 7 disse não a Assis Chateaubriand

O Capitão 7, como o nome e o número sugeriam, foi criado na TV Record Canal 7, em 1954, mesmo ano em que a TV Tupi Canal 3 lançou o Falcão Negro. O Capitão 7 era interpretado pelo ator Ayres Campos. As suas aventuras tinham uma pegada ligada às histórias de ficção...

O “mendigo da praça”: um personagem, dois atores

O “mendigo da praça”: um personagem, dois atores

Zé Bonitinho, que era o perigote das mulheres, surgiu na TV brasileira no finalzinho dos anos 1950. Foi criado pelo próprio Loredo para a TV Rio e inicialmente escrito pelo Chico Anysio. Pouca gente se lembra (ou sabe) que Jorge Loredo interpretou vários outros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This