Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Bitong, o petisco preferido dos estádios da África do Sul

24 de junho de 2010


Este é o cardápio do que se come dentro dos estádios sul-africanos durante a Copa do Mundo. Sim, não pode faltar o onipresente cachorro-quente. Mas preste atenção na última linha: “biltong”. Esse é o nome de um dos petiscos preferidos do povo daqui. Há lojas de biltongs nos shoppings e nos aeroportos. Os supermercados tem seções dedicadas a eles. Pacotinhos são vendidos no cinema também.

O biltong é como a nossa carne seca. Mas ela pode ser feita de vários tipos de animais: boi, galinha, avestruz, porco, springbook, kudu. Visitei um açougue em Pretoria e acompanhei todo o processo. As peças de carne são cortadas em fatias grossas. Elas recebem uma banho de vinagre branco e molho worcester. Depois são cobertas por um preparado de ervas especial dos dois lados. Descansam assim por três horas. Aí são penduradas numa câmara fria por três dias. Quando a carne fica bem seca, ela está pronta para ser cortada em pedacinhos.

A origem do biltong é holandesa. Os desbravadores que chegaram ao país no século 17 não tinham como conservar os animais que caçavam, e o jeito era secá-las e salgá-las para que durassem mais tempo.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A verdadeira história da bala 7 Belo

A verdadeira história da bala 7 Belo

Escrevi para a assessoria de imprensa da Arcor, dona da marca 7 Belo desde 2001, pedindo ajuda para contar a história da bala cinquentenária. O departamento de marketing não quis passar informações. No baralho, 7 Belo é o apelido da carta "7 de Ouros", que ilustra a...

A origem dos bolinhos madeleines

A origem dos bolinhos madeleines

As madeleines têm uma função muito importante na monumental obra de Marcel Proust. "Em busca do tempo perdido", o autor francês utiliza o momento em que a tia mergulha um bolinho na xícara de chá para evocar saborosas lembranças. [yotuwp type="videos" id="7h9WokS7PoQ"...

A origem do nome e da embalagem das batatas Pringles

A origem do nome e da embalagem das batatas Pringles

A batata frita Pringles foi lançada no mercado americano em 1968. Até 1986, o nome tinha um apóstrofo (Pringle's). Depois virou uma palavra só. A escolha do nome foi bastante curiosa. Fizeram uma pesquisa na lista telefônica de Cincinatti. Encontraram no subúrbio da...

12 Comentários

12 Comentários

  1. Antonio Mier

    A última vez que abri um pacotinho com algo do gênero, quem saiu ganhando foi minha cachorra…essa degustação curiosa vai ser tenebrosa…

    Responder
  2. Antonio Mier

    A última vez que abri um pacotinho com algo do gênero, quem saiu ganhando foi minha cachorra…essa degustação curiosa vai ser tenebrosa…

    Responder
  3. roberto ambrosio

    Rapaaaizzz corres o risco de levar um carrinho do fiscal na alfândega…principalmente pelo biltong de kudu…por favor quando fizer a degustação fecha a janela pra nao contaminar a Vila Romana..

    Responder
  4. roberto ambrosio

    Rapaaaizzz corres o risco de levar um carrinho do fiscal na alfândega…principalmente pelo biltong de kudu…por favor quando fizer a degustação fecha a janela pra nao contaminar a Vila Romana..

    Responder
  5. gustavo

    aprendi fazer a conserva.
    carne de segunda. tenho usado peito bovino, a 11 reias o quilo.
    o cara que me ensinou recomendou coxão duro. que é R$ 16.
    coloco no vinagre por duas horas, passo no tempero: sal, pimenta do reino, cominho. fica tres horas no frizer, depois coloco em local seco e arejado por tres dias.
    acabei de comer um pedaço,
    como quase todo dia como complemento alimentar.
    cai bem com cerveja.

    Responder
  6. gustavo

    aprendi fazer a conserva.
    carne de segunda. tenho usado peito bovino, a 11 reias o quilo.
    o cara que me ensinou recomendou coxão duro. que é R$ 16.
    coloco no vinagre por duas horas, passo no tempero: sal, pimenta do reino, cominho. fica tres horas no frizer, depois coloco em local seco e arejado por tres dias.
    acabei de comer um pedaço,
    como quase todo dia como complemento alimentar.
    cai bem com cerveja.

    Responder
  7. stefany

    ele e uma delicia

    Responder
  8. stefany

    ele e uma delicia

    Responder
  9. celio

    Trabalhei em Angola um periodo de quatro anos e consumi muito biltong e meu sonho e produzir no brasil pois a carne e um delicia.

    Responder
  10. celio

    Trabalhei em Angola um periodo de quatro anos e consumi muito biltong e meu sonho e produzir no brasil pois a carne e um delicia.

    Responder
  11. ege valadares

    Eu já havia provado o biltong sul-africano trazido por um amigo e achei que o cheiro é muito forte por causa do vinagre em que a carne é embebida. Mudei a recita e juro que ficou muitas vezes melhor. Ficou com o sabor realmente fantástico.
    Quem quiser a receita falar comigo no face Ege valadares que a darei com todo prazer.

    Responder
  12. ege valadares

    Eu já havia provado o biltong sul-africano trazido por um amigo e achei que o cheiro é muito forte por causa do vinagre em que a carne é embebida. Mudei a recita e juro que ficou muitas vezes melhor. Ficou com o sabor realmente fantástico.
    Quem quiser a receita falar comigo no face Ege valadares que a darei com todo prazer.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This