Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

A história das vacinas

18 de janeiro de 2021

Em 1789, Edward Jenner observou que as vacas tinham nas tetas feridas iguais às provocadas pela varíola no corpo dos humanos. Os animais tinham uma versão mais leve da doença, a varíola bovina ou bexiga vacum. Em 1796, resolveu pôr à prova a sabedoria popular que dizia que quem lidava com gado não contraía varíola. Ao observar que as mulheres responsáveis pela ordenha, quando expostas ao vírus bovino, tinham uma versão mais suave da doença. Jenner conduziu a sua primeira experiência com James Phipps, um menino de oito anos.

Antirrábica

O cientista francês Louis Pasteur (1822-1895) desenvolveu a vacina contra a raiva em 1885, doença fatal que afeta principalmente os cachorros e pode ser transmitida ao homem pela mordida do animal infectado. Mas ele ficou mais conhecido pelo processo de pasteurização, método que impedia que o leite, por exemplo, causasse doenças.

BCG

A vacina contra tuberculose, a Bacilo Calmette-Guérin, foi aplicada pela primeira vez em humanos em julho de 1921 no Hospital de la Charité, em Paris. Ela é resultado de cerca de dez anos de estudos de dois franceses: o médico veterinário Camille Guérin (1872-1961) e o médico e biólogo Léon Albert Calmette (1863-1933).

Contra a Febre Amarela

Foi o microbiólogo americano de origem sul-africana Max Theiler (1899-1972) quem desenvolveu a vacina contra a febre amarela. Em 1937, essa vacina já era segura e eficiente. Theiler recebeu por essa descoberta o Prêmio Nobel de Medicina em 1951.

Contra a Paralisia Infantil

O responsável pela descoberta da “gotinha que salva” foi o pediatra polonês naturalizado americano Albert Bruce Sabin (1906-1993). Antes dele, a vacina Salk era comprovadamente eficiente contra a poliomielite. A vacina Salk, no entanto, era feita de vírus mortos que teriam de ser injetados e cuja capacidade de estimular a produção de anticorpos poderia não ser muito duradoura. Sabin acreditou que seria possível tipos de pólio que fossem débeis demais para produzir a doença, mesmo quando continuassem vivos, mas que poderiam ativar a formação de anticorpos durante o tempo em que permanecessem no corpo. Essas espécies vivas poderiam ser tomadas por via oral. Depois de experiências feitas com animais, Sabin experimentou a vacina em si mesmo e depois em presos voluntários. Em 1957, a vacina Sabin passou a ser usada na União Soviética e na Europa Oriental. Em seguida, espalhou-se pelo mundo.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Quem é a Maria que deu nome à Bolacha Maria?

Quem é a Maria que deu nome à Bolacha Maria?

A Bolacha Maria foi criada em 1874 por uma padaria inglesa, a Peek Freans, para celebrar o casamento de Alfredo Ernesto Alberto, o Duque de Edimburgo, com a grã-duquesa Maria Alexandrovna, da Rússia, no dia 23 de janeiro daquele ano. Todas as bolachas servidas na...

A verdadeira história da bala 7 Belo

A verdadeira história da bala 7 Belo

Escrevi para a assessoria de imprensa da Arcor, dona da marca 7 Belo desde 2001, pedindo ajuda para contar a história da bala cinquentenária. O departamento de marketing não quis passar informações. No jogo de cartas, 7 Belo é o apelido que a carta “7 de ouros” ganhou...

0 Comentários

0 comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. A história das vacinas - Guia dos Curiosos | Brainers - […] Por volta de 1770, o médico inglês Edward Jenner (1749-1823) ouviu uma ordenhadora dizer que não pegaria varíola porque…

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This