A história das vacinas

18 de janeiro de 2021

Por volta de 1770, o médico inglês Edward Jenner (1749-1823) ouviu uma ordenhadora dizer que não pegaria varíola porque já tivera varíola bovina. Foi aí que ele começou a estudar as doenças. Em 14 de maio de 1796, inoculou o vírus de varíola bovina em um garoto de oito anos chamado James Phipps. No dia 1o de julho, com o menino já curado, Jenner voltou a inoculá-lo, só que com o vírus da varíola humana. James não se contaminou, porque a primeira doença o tinha tornado imune. No início, sua descoberta foi rechaçada pelos outros médicos, mas cinco anos depois a vacinação era uma prática difundida por todo o mundo.

Antirrábica

Louis Pasteur (1822-1895) desenvolveu a vacina antirrábica, que previne contra a raiva, doença fatal que afeta principalmente os cachorros e pode ser transmitida ao homem pela mordida do animal infectado. Ele não era médico, e sim químico, mas foi responsável por uma descoberta muito importante para os médicos. Pasteur descobriu que, para evitar a contaminação por microrganismos, era preciso haver muita higiene nas salas de cirurgia e nos instrumentos usados. Pasteur percebeu que, acima de uma determinada temperatura, os micróbios morrem. Eles não surgem espontaneamente, como acreditava-se na época. Só que estão em todos os lugares.

BCG

A vacina contra tuberculose, a Bacilo Calmette-Guérin, foi aplicada pela primeira vez em humanos em julho de 1921 no Hospital de la Charité, em Paris. Ela é resultado de cerca de dez anos de estudos do veterinário Camille Guérin (1872-1961) e do médico-biólogo Alert León Calmette (1863-1933).

Contra a Febre Amarela

Foi o microbiólogo americano de origem sul-africana, Max Theiler (1899-1972), quem desenvolveu a vacina contra a febre amarela. Em 1937, essa vacina já era segura e eficiente. Theiler recebeu por essa descoberta o Prêmio Nobel de Medicina em 1951.

Contra a Paralisia Infantil

O responsável pela descoberta da “gotinha que salva” foi o pediatra Albert Bruce Sabin (1906-1993). Antes dele, a vacina Salk era comprovadamente eficiente contra a poliomielite. A vacina Salk, no entanto, era feita de vírus mortos que teriam de ser injetados e cuja capacidade de estimular a produção de anticorpos poderia não ser muito duradoura. Sabin acreditou que seria possível tipos de pólio que fossem débeis demais para produzir a doença, mesmo quando continuassem vivos, mas que poderiam ativar a formação de anticorpos durante o tempo em que permanecessem no corpo. Essas espécies vivas poderiam ser tomadas por via oral. Depois de experiências feitas com animais, Sabin experimentou a vacina em si mesmo e depois em presos voluntários. Em 1957, a vacina Sabin passou a ser usada na União Soviética e na Europa Oriental. Em seguida, espalhou-se pelo mundo.

Artigos Relacionados

Cabelo branco: quais são as 8 principais dúvidas

Cabelo branco: quais são as 8 principais dúvidas

É fato que um dia todos alcançarão o temido cabelo branco, mas o tempo para eles aparecerem varia de pessoa para pessoa! Conheça agora as principais questões sobre este assunto! Idade, estresse, genética... as causas dos cabelos brancos 1. Com que idade aparecem os...

0 Comentários

0 comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. A história das vacinas - Guia dos Curiosos | Brainers - […] Por volta de 1770, o médico inglês Edward Jenner (1749-1823) ouviu uma ordenhadora dizer que não pegaria varíola porque…

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This