No “Você é Curioso?” de hoje, o consultor em tecnologia César Monteiro mostrou que, desde a invenção da Wikipedia, o mundo das enciclopédias nunca mais foi o mesmo. A ideia que deu certo parte do princípio que todo mundo colabora na construção e o benefício do conhecimento é de todos. Dessa ideia começaram a surgir na Internet – e até nas empresas – novas fontes de informação, sobre assuntos cada vez mais inusitados. Um desses exemplos é  a Chickipedia, uma enciclopédia online só de mulheres bonitas – na opinião dos colaboradores.  Nos passos da Wikipedia, o banco de dados possui informações que muitas vezes só são úteis pela ótica dos admiradores de milhares de mulheres famosas ou nem tão famosas assim. Pode ser uma atriz indiana ou uma mesatenista sérvia. Na capa, hoje, os destaques ficavam para a supermodelo Marisa Miller, uma seleção de 11 garotas do Havaí e as mais belas atrizes que fizeram filmes de luta.  O número de verbetes era de 11 853 garotas, divididas em oito categorias (TV, música, modelos, negócios, cinema, esportes, política e miscelânea).

Chickipedia

Chickipedia funciona mesmo como uma fonte de consulta (bela desculpa!):  há  dados pessoais e profissionais, as medidas e uma pequena biografia – além, é claro, de fotos e vídeos das beldades homenageadas. Hoje o número de fotos era de 147 830. Só para dar um exemplo conhecido de nós: as gêmeas Bia e Branca, do nado sincronizado, aparecem em 24 poses. Assim como a Wikipedia, o site é colaborativo e permite que os usuários adicionem o que quiserem sobre quem quer que seja. Era mesmo só uma questão de tempo para alguma mente desocupada explorar esse filão. Sem duplo sentido.