Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

O soldado que não matou Adolf Hitler

21 de novembro de 2013

A Segunda Guerra Mundial foi o conflito mais violento da História. Entre 1º de setembro de 1939 (Invasão da Polônia pelos alemães) e 14 de agosto de agosto de 1945 (rendição japonesa), o saldo foi de 59 milhões de mortos (sendo quase 6 milhões de judeus) e cerca de 1,5 milhão de edifícios destruídos. Existe, porém, nessa história um personagem pouquíssimo conhecido: o soldado inglês Henry Tandey. Para conhecê-lo melhor, no entanto, será preciso voltar um pouco mais no tempo, mais precisamente na Primeira Guerra Mundial.

Soldados prestam homenagem aos mortos durante a Segunda Guerra Mundial.

A data é 28 de setembro de 1918, e a Primeira Guerra Mundial está perto do fim. Na pequena cidade de Marcoing, na França, um pelotão inglês não consegue atravessar um riacho por causa de uma ponte destruída. Para piorar a situação, encontra-se sob fogo cerrado disparado por soldados alemães. De acordo com o historiador brasileiro Warde Marx, o soldado Tandey, em um ato de extrema coragem, correu até o esconderijo dos atiradores inimigos, matou-os, e retornou para consertar a ponte. Horas mais tarde, no mesmo dia, ele seria o autor de uma façanha ainda maior: na companhia de mais oito colegas de batalhão, ele foi cercado por 37 combatentes alemães munidos de metralhadoras. Portando somente baionetas, Tandey convenceu os colegas a partirem para cima dos inimigos, e acaba por rendê-los. Obviamente, tais atitudes lhe renderam inúmeras condecorações, mas uma delas teria um gostinho especial: a medalha Cruz Vitória, honraria dada pelo rei àqueles que demonstrassem bravura na “presença do inimigo”. Apesar da brilhante carreira militar, o bravo inglês seria conhecido, posteriormente, por outro motivo bastante curioso: ter desperdiçado a chance de matar um soldado alemão. O nome desse soldado? Adolf Hitler.

 Henry Tandey, o herói inglês na Primeira Guerra Mundial

Sim, o homem que aterrorizou o mundo esteve supostamente bem perto da morte na Primeira Guerra Mundial e, por mais de vinte anos, teve sua identidade ignorada pelo seu  “piedoso salvador”. A história só seria revelada em 1938, quando o primeiro ministro britânico Neville Chamberlain esteve em uma reunião com Hitler na Alemanha. No gabinete do ditador alemão, havia a cópia de quadro, pintado pelo artista italiano Fortunino Matania, que retratava uma cena da Primeira Guerra Mundial. Nela, o herói inglês aparecia carregando um combatente ferido e o ditador alemão era mostrado sentado no canto direito da imagem. Mas como Hitler tinha tanta certeza de que o rapaz registrado na imagem era Tandey?, perguntou Chamberlain. Em 1933, ano em que subiu ao poder, o führer viu uma reportagem de jornal anunciando um evento em homenagem ao homem que o deixara viver. Reconheceu o rosto e ordenou a alguns agentes da polícia alemã que viajassem até a Inglaterra para investigar a identidade do sujeito. Os policiais chegaram até o regimento a que Tandey pertencera e, depois de algumas conversas com oficiais ingleses, descobriram o nome que tanto procuravam. De quebra, viram a obra original cuja cópia seria pendurada na parede do gabinete do líder alemão anos depois.  Além da revelação bombástica, Hitler também pediu que Chamberlain transmitisse um abraço e seu agradecimento a Tandey.

O quadro de Fortunino Matania: Hitler seria o sujeito deitado no canto direito do quadro

Se Hitler lembrava com carinho e, até mesmo com gratidão, do episódio, o mesmo não se pode dizer de Tandey. “Se ao menos eu soubesse o que ele iria se tornar… quando eu vejo todas as pessoas, mulheres e crianças que ele tem matado e ferido, peço desculpas a Deus por tê-lo deixado escapar”, teria declarado a amigos em 1940. Na opinião de Warde Marx, porém, o inglês não tinha do que se arrepender. “Embora esta história envolvendo o Hitler e o Tandey provavelmente seja verdadeira, não há como confirmá-la de maneira absoluta. Se ela for real, Tandey adotou a mesma atitude que muitos outros soldados da época, influenciados pelo pensamento tradicional e pelas questões morais do século XIX, adotaram”. Vale lembrar que a Convenção de Genebra, responsável por regulamentar as ações relativas a prisoneiros de guerra, só apareceria em 1929, mais de dez anos depois do término da  Primeira Guerra Mundial.

Embora não devesse se sentir culpado, o herói de guerra inglês tentou corrigir o suposto erro anos mais tarde: em 1940, com 49 anos, Tandey implorou às forças armadas inglesas que o deixassem viajar para a Alemanha, com o objetivo de matar Hitler. Devido à sua idade, no entanto, teve sua adesão ao exército britânico recusada. Trabalhando na área de segurança privada, viveria até 1977, quando, aos 86 anos, veio a falecer na cidade inglesa de Coventry , injustamente mais lembrado pela sina de “O homem que não matou Hitler” do que pela heroica carreira militar construída ao longo de sua vida.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Mulheres podem fazer sushi?

Mulheres podem fazer sushi?

Há muita gente que acredita que não. O motivo seria a oscilação da temperatura das mulheres no período fértil. A temperatura do corpo não sobe mais que meio grau. Isso seria o suficiente para o sushi sofrer alterações de sabor? O mito nasceu do conservadorismo da...

Balas de borracha não são feitas de borracha

Balas de borracha não são feitas de borracha

As balas de borracha foram usadas pela primeira vez pelo exército britânico em 1970 durante o conflito etnonacionalista "The Trouble" (O Problema), na Irlanda do Norte.  O projétil de borracha duro, de 15 centímetros, parecia um pequeno míssil e tinha o nome de...

20 Comentários

20 Comentários

  1. Mario Hideki Nako

    Lenin, Stanlin, Mussulini, Hitler, como a tantos outros tiranos… Se Hitler tivesse sido morto, outro provavelmente estaria no seu lugar.

    Responder
  2. Mario Hideki Nako

    Lenin, Stanlin, Mussulini, Hitler, como a tantos outros tiranos… Se Hitler tivesse sido morto, outro provavelmente estaria no seu lugar.

    Responder
  3. felipe

    Tbm pensei nisso mario mais poderia ter havido um ditador menos estrategico e ambicioso, que não odiaçe tanto outras raças como hitler..

    Responder
  4. felipe

    Tbm pensei nisso mario mais poderia ter havido um ditador menos estrategico e ambicioso, que não odiaçe tanto outras raças como hitler..

    Responder
  5. publio

    Fez oque achou certo no momento.. o que veio depois nao foi sua culpa

    Responder
  6. publio

    Fez oque achou certo no momento.. o que veio depois nao foi sua culpa

    Responder
  7. Anderson

    Foi o poder de persuasão do demônio.

    Responder
  8. Anderson

    Foi o poder de persuasão do demônio.

    Responder
  9. Euclides

    Nunca deixe vivo um rei deposto. Essa é do nosso amigo Machiavel, que entendia como ninguem a alma dos poderosos. Podem analisar a vontade, os poderosos são vingativos, odiosos, com sede de poder e ação sobre os outros.

    Responder
  10. Euclides

    Nunca deixe vivo um rei deposto. Essa é do nosso amigo Machiavel, que entendia como ninguem a alma dos poderosos. Podem analisar a vontade, os poderosos são vingativos, odiosos, com sede de poder e ação sobre os outros.

    Responder
  11. filipe

    O poder que uma ação atitude tem e imenso.

    Responder
  12. filipe

    O poder que uma ação atitude tem e imenso.

    Responder
  13. natan

    Se Hitler tivesse morrido, a historia teria sido alterada… A ideologia nazista não existiria, vitimas dessa ideologia teria sido polpadas… Os livros, documentarios jamais mencionaria quem o nome de “adolf hitler”. Minha simples opinião… Valeu galera.

    Responder
  14. natan

    Se Hitler tivesse morrido, a historia teria sido alterada… A ideologia nazista não existiria, vitimas dessa ideologia teria sido polpadas… Os livros, documentarios jamais mencionaria quem o nome de “adolf hitler”. Minha simples opinião… Valeu galera.

    Responder
  15. Domenico Francesco Calli

    Achamos que a história é linear.
    Não é. .. É uma ciência dinâmica. Cada personagem que se sobresai na história., nada mais é que um homem ou mulher, resultado do contexto social e familiar que o formou dentro de um determinado tempo. Se faz necessário colocar que as experiências pessoais também fazem parte dessa ‘construção’ do personagem mencionado.
    Assim se conclui, que Se Hitler fosse morto, a história vista como essa ciência dinâmica apenas se encarregaria de colocar em evidência outro nome.
    Talvez., o decorrer dos acontecimentos fossem diferentes com esse novo personagem. ..mas a tragédia histórica e humana seria a mesma…com agravantes e até atenuantes diferentes dos que conhecemos.
    Enfim…Apenas teríamos nos livros um nome diferente de Adolf Hitler.
    Adendo. ..Há uma linha de pensamento que busca provar o multi universo com múltiplas realidades possíveis.
    Quem sabe …EM ALGUMA REALIDADE PARALELA POSSÍVEL. .. o soldado britânico Tindey puxou o gatilho. ..e…
    nada conseguiu mudar. …

    Responder
  16. Domenico Francesco Calli

    Achamos que a história é linear.
    Não é. .. É uma ciência dinâmica. Cada personagem que se sobresai na história., nada mais é que um homem ou mulher, resultado do contexto social e familiar que o formou dentro de um determinado tempo. Se faz necessário colocar que as experiências pessoais também fazem parte dessa ‘construção’ do personagem mencionado.
    Assim se conclui, que Se Hitler fosse morto, a história vista como essa ciência dinâmica apenas se encarregaria de colocar em evidência outro nome.
    Talvez., o decorrer dos acontecimentos fossem diferentes com esse novo personagem. ..mas a tragédia histórica e humana seria a mesma…com agravantes e até atenuantes diferentes dos que conhecemos.
    Enfim…Apenas teríamos nos livros um nome diferente de Adolf Hitler.
    Adendo. ..Há uma linha de pensamento que busca provar o multi universo com múltiplas realidades possíveis.
    Quem sabe …EM ALGUMA REALIDADE PARALELA POSSÍVEL. .. o soldado britânico Tindey puxou o gatilho. ..e…
    nada conseguiu mudar. …

    Responder
  17. alcindo store

    acho que esse adolf hitler eo maior desumano de todos os tempos

    Responder
  18. alcindo store

    acho que esse adolf hitler eo maior desumano de todos os tempos

    Responder
  19. Anônimo

    Hitler eliminou 6 milhões de Judeus….os americanos 100 milhoes de Japoneses (bombas atômicas)Será realmente que Hitler foi o único monstro da história? Ou será que somos apenas hipócritas mesmo?100 milhões ou apenas uma vida quando tirada autoritariamente faz de qualquer um o monstro.

    Responder
  20. Anônimo

    Hitler eliminou 6 milhões de Judeus….os americanos 100 milhoes de Japoneses (bombas atômicas)Será realmente que Hitler foi o único monstro da história? Ou será que somos apenas hipócritas mesmo?100 milhões ou apenas uma vida quando tirada autoritariamente faz de qualquer um o monstro.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This