Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

A UTI das cabines telefônicas vermelhas de Londres

12 de setembro de 2012

Na cidade industrial de Newark, que fica no condado inglês de Nottinghamshire, há um galpão que abriga cerca de 150 cabines telefônicas londrinas desativadas. Uma delas pode ser considerada uma relíquia: tem 85 anos de história. Quando uma cabine é danificada a ponto de inviabilizar seu conserto, ela é mandada para lá, onde funcionários da empresa telefônica X2 Connect fazem a última tentativa para restaurá-la. Em torno de 75% das que chegam ao local conseguem voltar às ruas de Londres. O restante vai para o ferro-velho.

Cabines em depósito de Newark (Fonte: The Telegraph)

Desde o advento da era dos telefones celulares, que se tornaram acessórios essenciais do homem moderno ao longo da década de 90, as cabines telefônicas perderam grande parte de seu papel, passando a ter mais valor tradicional do que funcional. Só nos últimos cinco anos, o uso dos telefones públicos em Londres caiu 80%. Em 2002, havia 92 mil cabines telefônicas nas ruas da capital inglesa; hoje, o número caiu para  51 mil. Para não perder o negócio, o jeito é investir na tradição. Devido às Olimpíadas sediadas na cidade inglesa em julho e agosto deste ano, 400 cabines foram restauradas, demandando um gasto de 1.500 litros de tinta vermelha.

Em abril deste ano, a empresa telefônica X2 Connect colocou em leilão 60 cabines telefônicas. Desde 1987, o público não tinha a oportunidade de adquirir uma cabine do modelo K6 – a mais tradicional do país, produzida em 1935, em comemoração aos 25 anos do reinado de George V. Na época, foi encomendada uma tinta vermelha especial – “Post Office Red” – para a confecção das cabines. Até hoje, a mesma cor é responsável pelo vermelho brilhante das cabines de Londres.


O lance mínimo para adquirir a relíquia de 750 quilos foi de 1.950 libras (cerca de 6.300 reais). A procura foi grande, e atraiu interessados de vários cantos do mundo. Um comprador da Arábia Saudita adquiriu uma peça para ser transformada em chuveiro. Desde 2008, a X2 Connect incentiva o uso das cabines para outros fins. De lá para cá, elas já foram transformadas em bares, bibliotecas, galerias de arte e até em um desfibrilador cardiológico.

Cabine telefônica transformada em desfibrilador

No cemitério de Newark, descansam 60 cabines K6 das 70 mil instaladas em Londres em 1935. Hoje, há 10.770 delas em atividade. Apenas duas estão fora da Inglaterra: em 1994, elas foram instaladas na França em homenagem aos 50 anos da batalha da Normandia, na Segunda Guerra Mundial, quando os países aliados tiraram os alemães nazistas do território francês.

Leia também: Tradicionais cabines telefônicas inglesas viram oficina para conserto de celulares

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Mulheres podem fazer sushi?

Mulheres podem fazer sushi?

Há muita gente que acredita que não. O motivo seria a oscilação da temperatura das mulheres no período fértil. A temperatura do corpo não sobe mais que meio grau. Isso seria o suficiente para o sushi sofrer alterações de sabor? O mito nasceu do conservadorismo da...

Balas de borracha não são feitas de borracha

Balas de borracha não são feitas de borracha

As balas de borracha foram usadas pela primeira vez pelo exército britânico em 1970 durante o conflito etnonacionalista "The Trouble" (O Problema), na Irlanda do Norte.  O projétil de borracha duro, de 15 centímetros, parecia um pequeno míssil e tinha o nome de...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This