No folclore paulista, é a alma penada da mãe que provocou o aborto de fetos que correspondem ao número de porquinhos que a acompanham. Ela persegue maridos que ficam na rua fora de hora.