Em outubro de 2001, o artista alemão H.A. Schultz “vestiu” as paredes de um ex-prédio dos Correios, em Berlim, com 20 mil cartas de amor. A ideia era pedir que as pessoas escrevessem cartas de amor e enviassem ao artista, numa forma de incentivar a correspondência real, que está caindo em desuso depois que as pessoas passaram a se corresponder de forma virtual.

Um homem perdeu sua dentadura na mesa de jogo e teve que pedir ajuda à polícia para recuperá-la. Depois de passar dias tomando líquidos, o devedor solicitou aos oficiais que intercedessem junto ao seu credor, que concordou em devolver a prótese se seu dono lhe pagasse o que devia.

O jornal Express publicou que o alemão Karlpeter Arens, que morava na cidade de Dusseldorf, ia e voltava ao escritório pelas escadas do prédio, mas não para fazer exercício. É que ele já havia ficado preso em elevadores 40 vezes. Na primeira vez que o incidente aconteceu, Karlpeter tinha 6 anos e passou oito horas trancado no cubículo.

Existiu na Alemanha um grandalhão chamado Siegmund Breitbart que era capaz de cortar uma barra de aço de 5 milímetros com os dentes, quebrar correntes dilatando o peito e cravar pregos numa superfície de ferro usando o punho como martelo.

Em Dusseldorf, um presidiário de 42 anos conseguiu escapar da cadeia com um plano engenhoso: esconder-se dentro de uma caixa de papelão. O espertalhão esperou o final de seu turno na oficina em que trabalhava preparando mercadorias que seriam vendidas em papelarias e se escondeu dentro de uma das caixas que seriam despachadas pelo correio. Colocada no caminhão, a caixa serviu de abrigo para o presidiário até o veículo ultrapassar os portões da prisão. Daí, ele fez um furo no pano que cobria a parte de trás do caminhão e pulou para a liberdade. O fato aconteceu no dia 14 de novembro de 2008.