GILBERTO GIL

Gilberto Gil é formado em administração de empresas pela Universidade da Bahia. Seu primeiro emprego foi como fiscal da alfândega em Salvador. Depois, ele trabalhou na Gessy Lever, em São Paulo.

Antes de chamar Os Mutantes, Gil convidou o conjunto Quarteto Novo, formado por Heraldo do Monte, Hermeto Paschoal, Airto Moreira e Théo de Barros, para acompanhá-lo na interpretação de Domingo no Parque durante o III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record. Diante da recusa, o cantor teve que procurar outro grupo. Foi quando o maestro Rogério Duprat disse a ele conhecer “uns garotos muito bons”. Tratava-se da turma de Rita Lee.

Gil estudou acordeom durante quatro anos na Academia Regina, do médico espanhol Dr. José Benito Colmenero. Ele ganhou o instrumento da sua mãe.

Ele já morou com a cantora Nana Caymmi.

Gil já participou da vida política da Bahia: foi secretário da Cultura de Salvador e já se elegeu vereador pelo PMDB.

Por sua obra, o ministro de cultura francês Jack Lang concedeu a ele o título de Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras.

Ele já fez cirurgia para retirar calos das cordas vocais.

O músico foi apresentador de dois programas de televisão. Em 1966, esteve à frente de Ensaio Geral, na TV Excelsior. Depois, com seus colegas de tropicalismo, comandou, na TV Tupi, Divino, Maravilhoso, que revelou o cantor e compositor Jorge Ben.

Em 1990, seu filho Pedro Gil, então baterista da banda Ego Trip, morreu em um acidente de carro.

Gil já gravou ao todo 66 trabalhos, entre LPs, EPs, CDs, singles e coletâneas.

Em 2001, ele foi nomeado embaixador da FAO, entidade da ONU responsável pela Agricultura e Alimentação no planeta.

Em 2003, o cantor assumiu a liderança do Ministério da Cultura do governo de Luís Inácio Lula da Silva.