Manoel da Silva, ou simplesmente Maneco, dono do café Seleto, conseguiu descobrir quem era o autor dos famosos temas da companhia aérea Varig. Convidou Archimedes Messina para uma reunião na sede da empresa, que ficava no bairro paulistano do Belém, e solicitou um jingle para seu produto. O compositor pediu um briefing com as informações que deveriam constar na peça, mas Maneco não passou nenhuma informação específica, deixando tudo a cargo do autor. Os tempos eram outros, e a maioria das empresas não tinha departamento de marketing – muito menos agência de propaganda – para cuidar da sua comunicação.
Messina pensou no café sob a ótica de uma criança que, após acordar e fazer a higiene matinal sentindo aquele aroma que emana do coador, encontrava na mesa o café da manhã preparado carinhosamente pela mãe. Desenvolveu uma melodia singela para embalar o tema e gravou uma prova para apresentar ao empresário, que aprovou empolgadíssimo no mesmo instante que a escutou.
CAFÉ SELETO
Theo de Barros fez o arranjo e tocou violão. A cantora Clélia Simone foi escolhida para interpretar a peça, por conseguir fazer com perfeição a voz de uma menina. Segundo o professor Fábio Barbosa Dias, autor do livro “Jingle é a Alma do Negócio”, quando ouviu o jingle, Maneco chorou de emoção. Inicialmente, o jingle foi veiculado apenas no rádio, em 1974, mas, pouco tempo depois, ganhou um comercial produzido em desenho animado. O gigantesco sucesso veio com a segunda versão do jingle, cantada por um grupo de crianças que passeava por um cafezal no comercial de TV.
Ouça agora a versão do jingle do Café Seleto cantada pela banda Bek e os Tio de Fusca, especial para o “Você é Curioso?”