FLUMINENSE F CFundação: 21 de julho de 1902
Mascote: cartola
Endereço: Rua Âlvaro Chaves, 41
CEP 22231-200 – Rio de Janeiro – RJ
Estádio: Laranjeiras, capacidade para 8 mil pessoas. O estádio perdeu parte da arquibancada nos anos 60 para duplicação da Rua Pinheiro Machado. Antes a capacidade era de 20 mil torcedores

Hino
Autor: Lamartine Babo

Sou tricolor de coração
Sou do clube tantas vezes campeão
Fascina pela tua disciplina
O Fluminense me domina
Eu tenho amor ao tricolor
Salve o querido pavilhão
Das três cores que traduzem tradição
A paz, a esperança e o vigor
Unido e forte pelo esporte
Eu sou é tricolor
Vence o Fluminense
Com o verde da esperança
Pois quem espera sempre alcança
Clube que orgulha o Brasil
Retumbante de glórias
E vitórias mil
Vence o Fluminense
Com o sangue do encarnado
Com calor e com vigor
Faz a torcida querida
Vibrar de emoção o tricampeão
Vence o Fluminense
Usando a fidalguia
Branco é paz e harmonia
Brilha com o sol da manhã
Com a luz de um refletor
Salve o Tricolor

  • O Fluminense alugou o estádio das Laranjeiras em outubro de 1902, 3 meses após a fundação. Naquela época, os tricolores colocavam um burro chamado Faísca para aparar a grama. Para evitar danos no campo, calçavam luvas nas patas do animal.
  • O legendário Marcos Carneiro de Mendonça, goleiro do Fluminense e primeiro goleiro da Seleção Brasileira, jogava com um laço de seda na cintura e as chuteiras cobertas de gaze.
  • Os jogadores do Fluminense receberam o apelido de pó-de-arroz em 1914. Havia um meia chamado Carlos Alberto, perseguido pela torcida do Flamengo por ser mulato. Carlos Alberto, humilhado, encheu o corpo de pó-de-arroz antes de uma partida contra o Flamengo, mas o suor o traiu. O pó foi saindo e a torcida não o perdoou.
  • Na decisão do Campeonato Carioca de 1936, nas Laranjeiras, o aviador Geet Stolberg, flamenguista fanático, sobrevoou o estádio e soltou uma galinha morta pintada com as cores do Fluminense. Não adiantou: o Fluminense venceu o Flamengo.