Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Torcedor da Portuguesa apresenta coleção com 150 camisas no Museu do Futebol

18 de agosto de 2017

O Museu do Futebol, de São Paulo, vem realizando com bastante frequência encontros de colecionadores de camisas – sempre com um tema específico. Em maio, por exemplo, os colecionadores de uniformes de Corinthians e Palmeiras se reuniram no vão central do Estádio do Pacaembu para celebrar o centenário do clássico. Amanhã, no 23º encontro, o tema são as Portuguesas. Sim, assim mesmo, no plural: seja a Portuguesa paulistana, a de Santos, a do Rio de Janeiro, a de Londrina ou até mesmo a de Crato, no Ceará (que está inativa e tenta voltar à atividade profissional ainda este ano), o que vale é desfilar todo o acervo de camisas das “Lusas”.

Será difícil que alguém tenha coleção maior que a do empresário Rodrigo Soares, 39 anos, que levará as 150 camisas que juntou em 25 anos como torcedor da Portuguesa de Desportos, a mais famosa, a do Canindé. “Já tive umas 200, mas precisei me desfazer de algumas mais antigas porque elas são feitas de pano e precisam de um cuidado muito grande. Não tinha disponibilidade para isso”, confessa. A coleção começou com a camisa de 1994 e cresceu junto com a paixão pelo clube: “Sou de uma família oriunda de Portugal e comecei a torcer para a Lusa na época do Denner”, recorda.

Rodrigo Santos tem cerca de 150 camisas da Portuguesa

A Portuguesa completou 97 anos na última segunda-feira em meio à maior crise de sua história: eliminado na primeira fase da Série D do Brasileirão e há duas temporadas na Série A-2 do Campeonato Paulista, o clube precisa conquistar a única vaga disponível na Copa Paulista (torneio para os times paulistas sem calendário no 2º semestre) para jogar o Campeonato Brasileiro, ainda que na quarta divisão, no ano que vem: “Para quem viveu os anos 1990 e sabe da história gloriosa dos anos 1970 e 1980, isso é muito triste”, lamenta o colecionador, citando especialmente o time de 1995, que perdeu para o Corinthians a chance de ir para a final do Paulistão.

O esquadrão comandado por Paulinho McLaren, artilheiro do Campeonato com 20 gols, ao lado do são-paulino Betinho, é tão marcante para Rodrigo que a camisa da marca Dellebra, com patrocínio do Frigorífico Chapecó, é a peça mais especial da coleção: “Tenho essa camisa com todos os números, menos o 7. É a minha camisa para ir ao Canindé”, diz. É também a que mais custou para ser encontrada: “Tinha várias, mas não conseguia encontrar em lugar nenhum a de goleiro. Um dia um amigo, viajou para o interior de Minas Gerais, encontrou lá e me trouxe”, conta o lusitano.

Peça rara: camisa de goleiro foi encontrada no interior de Minas Gerais

Segundo Rodrigo, não há rivalidade entre as “Portuguesas” que farão parte do encontro: “Quando a Portuguesa foi eliminada da Série D, muitos de nós começamos as torcer para a Portuguesa da Ilha do Governador (RJ) que acabou eliminada na segunda fase. Sou muito atento às Portuguesas do Brasil e inclusive lembrei da existência dessa Portuguesa de Crato (CE) quando começamos a planejar o encontro. São braços culturais da colônia portuguesa no país”, justifica.

A paixão pelo futebol e pela colônia portuguesa engrossam a coleção de camisas de Rodrigo de outra forma: são mais de 300 peças de times de Portugal: “Gosto dos mais alternativos, como AD Fafe, Belenenses, Vitória de Guimarães, Gil Vicente e Varzim”, elenca. A lista conta ainda com camisas do Boavista, Oriental, Campomaiorense, Braga, Acadêmica de Coimbra, União de Leiria, Feirense, Penafiel, Santa Clara, Filgueiras e  Vizela. O trio mais famoso, formado por Porto, Benfica e Sporting, também está presente: “Tenho muito contato com colecionadores de lá que me enviam, assim como eu também envio algumas coisas para eles”. O acervo já foi notícia em Portugal.

Coleção de camisas de times portugueses já foi notícia em Portugal: são mais de 300

O encontro de camisas do Museu do Futebol começa às 10 horas e deve durar até as 17 horas.  No período da tarde, haverá também o evento “Lusa – Passado, Presente e Futuro”. Às 14h, a programação prevê a exibição do documentário “Rubro Verde Espetacular – Tri Fita Azul”, que conta a história das três excursões que a Portuguesa fez para o exterior em 1951, 1953 e 1954 e nas quais voltou sem perder (à época, quem voltasse invicto de uma excursão ganhava do jornal “A Gazeta Esportiva” o Troféu Fita Azul). Depois, às 15h, um debate reunindo torcedores ilustres e Badeco, capitão do último título paulista do clube, em 1973, título dividido com o Santos de Pelé.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Em novembro de 1996, o pugilista Evander Holyfield, pentacampeão mundial dos pesos-pesados, desafiou Mike Tyson pelo título da Associação Mundial de Boxe. Holyfield venceu de forma surpreendente ao realizar a proeza de nocautear Tyson no 11º round. Em junho do ano...

1 Comentários

1 Comentário

  1. Nelson

    Muito legal a matéria. Parabéns Marcelo

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This