Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Rio-2016: 10 momentos curiosos do “Tour da Tocha Olímpica” no Brasil

29 de julho de 2016

Até o dia 5 de agosto, quando entrar no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, para a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, a chama olímpica terá percorrido 20 mil quilômetros e terá passado por 329 cidades brasileiras. O percurso terá sido feito pelas mãos de 12 000 condutores da tocha.  A chama foi acesa em 21 de abril, em Olímpia, a 300 km de Atenas, capital grega. Ela passou pela sede do Comitê Olímpico Internacional (COI), na Suíça, antes de desembarcar em Brasília no dia 3 de maio. Fabiana Claudino, capitã da seleção brasileira de vôlei, foi a primeira atleta a conduzir a tocha de 1,4 quilo, feita com alumínio reciclado, resina e aço inox. No Brasil, ela passeou de rapel, skate, carro de boi, canoa, barco a vela, parapente, avião fretado, lancha e até carrinho de rolimã.

Toda branca, a tocha expande-se quando o gás é acionado, mostrando suas cores e curvas. O dourado da parte de cima simboliza o sol e também a medalha de ouro. A  faixa verde representa a topografia das montanhas do Rio de Janeiro, enquanto as ondas do mar surgem num tom azul. Por fim, a calçada de Copacabana é representada na sinuosa linha preta que finaliza o design, criado pela agência paulistana Chelles & Hayashi. Sua tecnologia possui três camadas que protegem o fogo do vento. O cartucho de gás é capaz de manter a tocha acesa por 18 minutos.

Relembre 10 momentos do Tour da tocha olímpica no Brasil:
1. A música “Vida de viajante” (1953), de Luiz Gonzaga e Hervê Cordovil, virou tema do revezamento da tocha. A releitura que está na trilha dos Jogos foi gravada por um batalhão de cantores: Marcelo Jeneci, Bruno Cardoso, Luan Forró Estilizado, Alexandre de Faria, César Menotti e Fabiano, Roberta Sá, MC Koringa e Malta. Foi oficializada como hino do revezamento em 6 de junho, quando o tenente-coronel Francisco Cantarelli cantou a canção junto com seus colegas da Força Nacional. A ideia de colocar vários artistas cantando e ampla diversidade de ritmos foi feita para representar a quantidade de pessoas que participam do evento.

2. Seis dias depois de chegar no Brasil, a tocha teve uma de suas experiências mais radicais. Em Governador Valadares (MG), ela foi levada de helicóptero até o Pico da Ibituruna (a 1 123 metros do nível do mar) para saltar de parapente. O tricampeão Moisés “Móka” Sodré carregou a tocha, enquanto o instrutor de voo Rodrigo Fazzolo os conduzia pela cidade. O vento fortíssimo não foi o suficiente para apagar a chama.

3. Por falar em “apagar a tocha”, não faltaram tentativas ao longo do percurso. A primeira aconteceu em Maracajú (MS). No dia 26 de junho, um eletricista de 27 anos jogou um balde d’água na direção do condutor, mas errou o alvo. Acabou detido e pagou fiança de 1 000 reais para ser liberado. Em Cascavel (PR), três dias depois, um homem tentou apagar a chama da tocha com um extintor de incêndio. Foi preso pela Guarda Nacional. No mesmo dia, a tocha chegou à vizinha Maringá. Uma mulher que participava de uma manifestação contra o governo em exercício se aproximou do condutor e tentou apagar a tocha com um cartaz, onde estava escrito “Fora,Temer”. A cidade de Joinville (SC) também foi alvo de boicote. Em 13 de julho, um desempregado de 33 anos invadiu a área isolada por um cordão, driblou cerca de 20 agentes da Força Nacional e usou um extintor de carro para apagar a chama. Não conseguiu. A condutora sofreu com a inalação de gases, mas logo se recuperou. No dia 23 de julho, em Guarulhos, na Grande São Paulo, um homem foi preso ao tentar apagar a tocha com uma bexiga cheia de água. Aconteceram tentativas semelhantes em Curitiba e Porto Alegre. A tocha só foi apagada mesmo numa manifestação em Angra dos Reis (RJ) no dia 27 de julho.

4. Uma onça pintada – de mesma espécie de uma das mascotes das Olimpíadas Rio 2016 – foi morta depois de participar da cerimônia da tocha olímpica em Manaus, dia 20 de junho. A presença da onça Juma foi questionada por grupos de proteção aos animais. A ação foi considera um erro pelo próprio Comitê Rio-2016 e acabou sendo alvo de críticas internacionais. O exército explicou que a onça teria se soltado das correntes e, mesmo depois de sedada, ameaçado atacar um militar.

5. A empresária Luiza Trajano, dona da rede de lojas Magazine Luiza, conduziu a tocha olímpica em Franca (SP), cidade natal, no dia 19 de julho. A integrante do Conselho Público Olímpico (CPO) acabou caindo durante o percurso de 200 metros. Agentes da Força Nacional ajudaram a empresária a se levantar. A loja aproveitou o acontecimento para fazer uma promoção pelas redes sociais:  “A Dona Luiza caiu, mas está bem. Vocês pediram, e os preços caíram também!”. Em seu Instagram, Luiza Trajano comentou: “Receber a tocha na minha cidade, ter a minha acesa pela minha filha querida, Ana Luiza Trajano, foi uma emoção tão grande, que até cai! Mas, como sempre faço em todos os meus tombos, levantei rápido e continuei a cumprir a minha missão”. Em Anapólis (GO), dia 4 de maio, um cadeirante caiu de sua cadeira de rodas ao passar a chama olímpica para outro condutor.

Prev 1 of 1 Next
Prev 1 of 1 Next

6. O jornalista Felipe Andreoli e sua a mulher, a também repórter Rafa Brites, carregaram a chama olímpica em Barretos (SP), em 20 de julho, causando uma “saia justa” para a apresentadora Fátima Bernardes.  Naquele dia, no “Encontro com Fátima Bernardes”, um dos convidados, o ator Henri Castelli, questionou a ausência de Andreoli e perguntou  qual seria sua relação com a cidade de Barretos, deixando Fátima Bernardes sem graça e sem resposta. Andreoli foi escolhido por um integrante do Conselho Público Olímpico como condutor da tocha na cidade. No programa “Extra Ordinários”, do Sport TV, Andreoli esclareceu que “até o momento da tocha,  não tinha nenhum vínculo com Barretos, mas que, depois de ter participado do evento, passou a ter”.

7. A selfie mais famosa do Tour da Tocha foi feita em Osasco, na Grande São Paulo, em 21 de julho. Um policial com moto e outro de bicicleta se chocaram e os dois foram para o chão.  José Carlos Almeida Cruz, 47 anos, aproveitou o momento dos dois esborrachados no chão para fazer a foto. “Na hora, eu só pensei na foto, em poder guardar uma lembrança. Era um momento único”, disse ao portal G1. O “tiozinho da selfie”, como ficou conhecido nas redes, levou um caminhão de críticas.

8. Em Santos (SP), a passagem da tocha olímpica teve um cenário romântico. Durante a condução de Larissa Fuentes, o namorado dela, Leonardo Gobetti ajoelhou-se em meio à multidão e fez o pedido de casamento. Larissa ganhou o direito de desfilar com a tocha num sorteio feito entre os funcionários da empresa onde trabalha. Leonardo aproveitou a falta de um condutor e também entrou no revezamento do dia 22 de julho. Ainda em Santos, Pelé apareceu na varanda do Museu Pelé com a tocha nas mãos. Mas ele não participou do revezamento.

9. No dia 24 de julho, a tocha passou por São Paulo e teve a ex-ginasta Laís Souza como uma das condutoras. Em 2014, Laís sofreu um acidente de esqui, durante a preparação para as Olimpíadas de Inverno, e ficou tetraplégica. Com uma cadeira de 182,8 quilos, a atleta andou pelo Parque Ibirapuera com a ajuda do  pai, Antônio Souza, e do cuidador, William Campi.

10. Gustavo Endres, ex-jogador de vôlei e campeão olímpico, foi quem acendeu a pira em Passo Fundo (RS). Mas acabou bravo por ter que pagar quase 2 mil reais para ficar com a tocha. A mulher do atleta, Raquel Endres, enumerou os motivos da sua indignação pelo Facebook: “1- Meu marido não é qualquer um e o currículo dele prova isso dentro do esporte!;  2- O desdém e a grosseria da organizadora com um atleta olímpico; 3- O valor da tocha é de R$ 1.985,00 e só pode ser pago ainda no cartão Visa e em no máximo 3 vezes”. Ela comprou a tocha para o marido contra a vontade dele.

 

Conheça os livros:
O Guia dos Curiosos – Jogos Olímpicos
Infográficos Olímpicos

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Mascotes das Olimpíadas de Verão

Mascotes das Olimpíadas de Verão

Waldi Munique, 1972 Amik Montreal, 1976 Misha Moscou, 1980 Sam Los Angeles, 1984 Hodori Seul, 1988 Cobi Barcelona, 1992 Izzy Atlanta, 1996 Syd, Millie e Olly Sydney, 2000 Athena e Phevos Atenas, 2004 Fuwa (Beibe, Jingjing, Huanhuan, Yingying e Nini) Pequim, 2008...

Urso Misha: lágrimas do encerramento

Urso Misha: lágrimas do encerramento

A cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Moscou, em 3 de agosto de 1980, será sempre lembrada por uma lágrima. O mosaico humano que formou a figura do urso Misha, mascote dos Jogos, deixou cair lágrimas do olho esquerdo. Era a tristeza de quem vê a maratona...

Quem criou a bandeira dos refugiados?

Quem criou a bandeira dos refugiados?

A ideia da bandeira dos refugiados (The Refugee Nation) foi de dois publicitários curitibanos radicados em Nova York, Artur Lipori e Caroline Rebello. Eles ficaram entusiasmados quando souberam que haveria uma delegação de refugiados na Olimpíada Rio-2016. Para fazer...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This