Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

O futebol e sua ligação com os cemitérios

13 de setembro de 2013

Em plena sexta-feira 13, o Paraná Clube irá a campo enfrentar o Oeste, de Itápolis (SP), pela Série B do Campeonato Brasileiro com um insólito patrocínio no uniforme: o que tem um cemitério em Curitiba e outro em Colombo, comprou o espaço para duas partidas. A ideia pode até parecer fúnebre, mas está longe de ser uma novidade no universo futebolístico. Em 2009, na mesma Série B, o Vila Nova-GO assinou contrato de patrocínio com o cemitério Parque Memorial de Goiânia.

 

Futebol Interior

Traje do Paraná Clube nesta sexta-feira 13

Na Argentina, o Chacarita Juniors tem uma estreita ligação estreita com o cemitério de Chacarita, o maior da América do Sul e muito visitado pelos fãs de Carlos Gardel. O preto do escudo do time foi escolhido por causa da proximidade entre o estádio do clube e o cemitério, do qual  pegou o nome emprestado. É por isso que os torcedores da equipe são chamados de “Os Funebreros”. O Boca Juniors tem um mausóleu dentro do cemitério de Chacarita. Ali está enterrado, por exemplo, o jogador Bernardo Gandulla, que atuou pelo Vasco em 1939 e cujo sobrenome virou o nome da pessoa que devolve a bola para o campo de jogo.

 

Novas camisas do Chacarita Juniors 2018-2019 Kelme | Mantos do Futebol

Uniforme do Chacarita: as listras pretas fazem referência ao Cemitério de Chacarita

Se os ídolos estão em Chacarita, os torcedores do Boca ganharam um cemitério exclusivo em 2006. A ideia foi copiada pelo alemão Schalke 04. Em 2012, a cidade de Gelsenkirchen também ganhou uma última morada só para torcedores do clube. O grande escudo no meio das sepulturas não deixa dúvidas. O Corinthians não pensou em cemitério, mas lançou um plano funerário para seus torcedores, que inclui coroa de flores (sem folhas verdes), escudo do clube na parede, bandeira sobre o caixão e um carro funerário personalizado.

 

Ao lado de seu estádio, Schalke 04 inaugura cemitério para torcedores

Cemitério do Schalke 04: paixão até depois da morte

Em Porto Alegre, o tradicional Estádio da Montanha, do Cruzeiro, foi derrubado para a construção do Cemitério Ecumênico João XXIII. Resta apenas um pedaço de uma das arquibancadas. Conta-se que, depois da última partida (Cruzeiro 3 x Liverpool, do Uruguai 2, em 8 de novembro de 1970), 15 mil cruzeiristas desceram a “Colina Melancólica” chorando. A comoção foi tanta que o fato inspirou o escritor e torcedor do clube Moacyr Scliar a escrever o livro “A Colina dos Suspiros” em 1999 (no texto, Scliar muda o nome do estádio para “Pau Seco”)
Amaral, ex-jogador de Palmeiras, Vasco, Corinthians e Seleção Brasileira, tinha o apelido de “coveiro”. Antes de iniciar a carreira no futebol, ele trabalhou durante quatro anos em uma funerária de Capivari (SP), sua cidade natal. Ele vestia os mortos para o velório. Um outro coveiro também tinha participação direta nos jogos da cidade de Santana do Ipanema (AL). O Estádio Governador Arnon de Mello é separado do cemitério por apenas um pequeno muro. Em partidas mais disputadas, a bola sempre acaba indo para o lado das sepulturas. É aí que o coveiro precisa fazer papel de… gandula.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A volta dos Botões Brianezi

A volta dos Botões Brianezi

Desde o final de 2020,  o empresário Alexandre Badolato passou a ser chamado de "Alexandre da Brianezi". Depois de 20 anos fora do mercado, a Botões Brianezi voltou a existir por causa de um acordo feito entre ele e Lúcio Brianezi, herdeiro da marca. Paulo Brianezi,...

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

3 Comentários

3 Comentários

  1. Fabio Grimaudo

    O XV de Piracicaba também tem seu estádio próximo a um cemitério separados apenas por uma rua

    Responder
  2. Aristides Leo Pardo

    O Campos, que disputará a primeira divisão do Carioca de 2017 também fica próximo a um cemitério e dentro de uma favela.

    Responder
  3. Allan Marchesin

    Fabio, na verdade, o estádio do XV de Piracicaba fica construído onde era uma parte do cemitério.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This