1. Em 1778, ao “descobrir” o Havaí, o navegador inglês James Cook registrou a presença do que considerou um esporte bastante relaxante, praticado sobre pranchas de madeira. Segundo relatos, um rei indonésio chamado Tahito chegou ao Havaí muito antes de Cook e ensinou aos locais sua grande diversão na Polinésia: o surfe.
  2. Em 1820, com a chegada dos primeiros missionários brancos, a prática do surfe foi desestimulada, já que os colonos não o consideravam um esporte .
  3. O surfe, assim como o Havaí, permaneceu desconhecido até o início do século XX, quando o nome de Duke Paoa Kahanamoku, descendente da família real havaiana, despontou no cenário mundial. Nas Olimpíadas de 1912, aos 22 anos, Duke ganhou uma medalha de ouro ao bater o recorde dos 100m nado livre e uma de prata no revezamento 4X 100. Aproveitando as muitas entrevistas que dava, ele sempre mencionava a existência do Surfe, dizendo ser assíduo frequentador da praia de Waikiki.
  4. Em 1913, Duke introduziu o esporte nos Estados Unidos; em 1915 foi a vez do campeão ensinar as manobras sobre a prancha para os australianos. Graças a seus esforços, o surfe foi se moldando até adquirir os fundamentos que tem hoje. O havaiano morreu em 1989,aos 94 anos e é até hoje reverenciado como o pai do surfe moderno.
  5. A prancha, símbolo do esporte, foi pela primeira vez fabricada em fibra de vidro no início da década de 40; ela ficou conhecidas como “Simmon´s Board” (prancha do Simmon), em homenagem ao seu criador, Robert Simmon.
  6. Em 1968 os surfistas australianos levaram para o Campeonato Mundial, em Porto Rico, as primeiras Minimodels. Eram pranchas pequenas e mais leves, que logo foram adaptadas para darem origem as Guns, perfeitas para as ondas grandes do Havaí.
  7. No Brasil, o esporte surgiu com os turistas americanos que traziam suas pranchas para explorar os “picos” locais. Em 1938 foi fabricada a primeira prancha 100% brasileira e, na década de 70,o esporte virou uma febre entre os jovens.