No final do século XIX, o motor a vapor era o progresso. Mas só 10% do calor liberado na queima do carvão virava energia mecânica para uma máquina trabalhar. Desde 1878, quando estudava na Escola Técnica de Munique, o alemão Rudolf Diesel ficou obcecado pela idéia de criar um motor que aproveitasse quase 100% do calor. Apesar da dedicação absurda (ele só dormia três horas por noite), somente em 1897 ele chegou ao protótipo do motor que leva o seu nome: diesel. Foi um sucesso. Nele, o ar é comprimido em um cilindro até alcançar temperatura suficiente para provocar a ignição do combustível injetado ali. A queima desse combustível faz o ar se expandir novamente, movimentando o pistão do motor. Depois dessa vitória, Diesel passou quase um ano em uma casa de repouso. Foi a primeira de cinco internações, pois ele sempre parava no sanatório depois aperfeiçoar sua invenção.