PORTO DE GALINHASO tráfego de escravos estava proibido, mas contrabandistas continuavam trazendo negros da África para os engenhos, escondidos em engradados de galinhas-d’angola. “Tem galinha nova no porto” era a senha usada para avisar a chegada de novo carregamento. O código acabou dando nome à vila de pescadores que fica a 58 quilômetros de Recife.