Como surgiu o Dia de FinadosA origem do Dia dos Finados tem início no século I, quando os cristãos rezavam pelos mortos. No século IV, eram celebradas missas em memória dessas pessoas.

A partir do século V a Igreja passou a dedicar um dia para essa comemoração.

Desde o século XIII se comemora o Dia de Finados em 2 de novembro. A data foi escolhida porque 1º de novembro é o Dia de Todos os Santos.

Os primeiros a reservarem um dia para os mortos, segundo o escritor espírita francês León Denis, foram os druidas. Eles se reuniam nos lares para exaltar aqueles que já tivessem falecido. Os druidas eram conselheiros espirituais.

Instituída no Século XIX, a comemoração do Dia dos Mortos para os anglicanos ficou bastante tempo suspensa e só foi restituída em 1980. A data é chamada de “Comemoração dos Fiéis Defuntos”.

Ainda no Século XIX, foi criado na Prússia, atual Alemanha, o “domingo dos mortos”, celebrado cinco semanas antes do Natal.

Os metodistas exaltam os seus membros mortos no próprio Dia de Todos os Santos.

Já os mexicanos fazem do “Dia de Los Muertos” uma grande celebração. Saem às ruas fantasiados, preparam mesas especiais, decoram sepulturas e recebem até mesmo turistas de todos os cantos do planeta.

Diferentemente do México, o conceito de festa no Dia de Finados no Brasil passa longe. O ritual mais comum é a ida ao cemitério e colocar flores e rezar nos túmulos das pessoas próximas falecidas.

Também é comum a realização de missas em memória daqueles que se foram. Uma tradição antiga é o uso de roupas pretas nesta data, representando o luto.

Leia também: Chove mesmo em todos os dias de Finados?