Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

12 curiosidades sobre escolas de samba do Rio de Janeiro

24 de abril de 2019

1. Em 1928, o compositor Ismael Silva reuniu os principais sambistas do bairro carioca do Estácio. Eles formavam uma roda de samba em frente à antiga Escola Normal. Foi por isso que o grupo se auto-denominou “escola de samba”. Fundada oficialmente em 12 de agosto de 1928, ela foi batizada de Deixa Falar, que se tornaria Unidos de São Carlos e, a partir de 1984, Estácio de Sá. Seus integrantes se apresentavam como os “professores do samba”. A Deixa Falar já apresentava o casal que empunhava a bandeira do grupo, conhecida como pavilhão. O mestre-sala e a porta-bandeira são remanescentes dos antigos ranchos, grupos anteriores à escola de samba. Os ranchos desfilavam com o baliza e a porta-estandarte. Hoje, uma escola precisa ter pelo menos um casal. Cabe à porta-bandeira conduzir o pavilhão enquanto o mestre-sala faz o papel de guardião. Essa tradição chegou a São Paulo no ano de 1935. Geralmente, a escola de samba apresenta pelo menos mais dois casais de mestre-sala e porta-bandeira, que levam o pavilhão referente ao enredo do samba escolhido para o desfile ou ainda outros símbolos da escola.

2. A escola de samba mais antiga ainda em atividade é a carioca Portela. No dia 11 de abril, comemora-se o Dia da Escola de Samba, em homenagem à fundação do bloco Ouro Sobre Azul, em 1923, que daria origem à agremiação. 

3. Em 1969, o Salgueiro anunciou o enredo “Bahia de todos os deuses”. Os torcedores entraram em desespero, pois dizia-se naquela época que enredos sobre a Bahia davam azar. Pior ainda: a escola iria se concentrar do lado direito da Igreja da Candelária, que os sambistas também acreditavam dar azar. As crenças foram por água abaixo. OSalgueiro foi a campeão.

4. No desfile das campeãs de 1970, Nair Pequena, integrante da ala das baianas da Mangueira, morreu em plena avenida.

5. O que significa “Bum Bum Paticumbum Prugurundum”? O nome do samba-enredo do Império Serrano, campeã do Carnaval carioca em 1982, usou uma expressão do compositor Ismael Silva para mostrar como deveria ser a batida do surdo.

6. Num desfile especial, promovido pelo jornal “A Manhã”, na madrugada de 1º de janeiro de 1950, uma passista da Portela deu à luz a uma menina.

7. No Carnaval de 1983, a Caprichosos de Pilares desfilou às escuras. Faltou luz durante uma hora. Suas notas não foram computadas e a escola continuou no Grupo Especial. No desfile de 1984, o primeiro após a inauguração do Sambódromo, o samba da Caprichosos de Pilares dizia: “Nesse palco iluminado / Que um dia por pecado / Se apagou…”. Em 1990, a Santa Cruz também desfilou sem luz no Grupo de Acesso e não foi julgada. A semanas do desfile de 1991, a escola conseguiu na justiça o direito de subir para desfilar no Grupo Especial por conta do incidente. Desfilou e foi rebaixada. A partir disso, o regulamento estabeleceu que, no caso de falta de luz, as escolas devem continuar o desfile. Os jurados devem descer até a pista e a nota é computada. No entanto, isso ainda não aconteceu novamente.

8. Em 1987, a jurada Marina Montini surpreendeu por dar notas abaixo de 6 para todas as escolas e 10 para a Mocidade Independente. Depois, ela explicou a confusão: os jurados de seu quesito, conjunto, deveriam avaliar a SEQUÊNCIA (notas de 3 a 6) e a UNIDADE (notas de 2 a 4) e, a partir da soma, chegar a nota final. No entanto, os critérios de avaliação de sequência estavam na página 26 e os de unidade na página 27. Marina não viu a segunda parte e deu notas apenas de 3 a 6, mas esqueceu de preencher a nota da Mocidade. O locutor Jorge Perlingeiro leu a justificativa, onde ela havia escrito que “tudo estava maravilhoso”, e anunciou o 10.

9. Em 1988, a Vila Isabel encantou o Rio de Janeiro com o histórico “Kizomba, a festa da raça” e faturou o título vencendo o também histórico “100 anos de realidade, liberdade ou ilusão?”. A verde-e-rosa perdeu o título em comissão de frente. Para alguns, a derrota se dá ao fato de que um integrante não desfilou. Quem? Martinho da Vila, autor do enredo e torcedor fervoroso da escola campeã.

10. A modelo Enoli Lara desfilou completamente nua no desfile de 1989 da União da Ilha. Por isso, a partir do ano seguinte, escola com integrantes que mostrem as partes íntimas passaram a perder pontos.

11. No histórico desfile de 1989 da Beija-Flor, “Ratos e Urubus, larguem minha fantasia”, Joãosinho Trinta foi proibido pela Justiça, através de ação da Igreja Católica, de mostrar seu Cristo Mendigo. Coberto com um saco de lixo, o carro alegórico trouxe a faixa “Mesmo proibido, olhai por nós”. Em 2008, o tambbém polêmico Paulo Barros foi proibido pela comunidade judaica de exibir um carro retratando o holocausto.

12. A rainha de bateria mais jovem da história foi Maria Clara Chaves Fonseca, que com 7 anos comandou a bateria “Furacão Vermelho e Branco”, da Viradouro. Ela é filha do então presidente da escola, Marco Lira. No entanto, não seguiu no cargo após a polêmica internacional de sua aparição. Das que possuem longa história no Carnaval, a mais jovem foi Raíssa Oliveira, da Beija-Flor, que estreou no cargo com apenas 14 anos de idade, em 2003, e permanece no posto até hoje. Raphaela Gomes, rainha da “Fiel Bateria” da São Clemente, também assumiu o posto da escola bem cedo: com 15 anos, em 2014. Filha do presidente Renato Almeida Gomes, ela substituiu a prima Bruna Almeida, que se dedicou à maternidade.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Quesitos de avaliação

Quesitos de avaliação

  Comissão de frente – É a abertura do desfile, o primeiro grupo de integrantes a desfilar. São cerca de dez ou quinze pessoas que apresentam o enredo com movimentos coreografados. Antes, as comissões de frente das escolas eram grupos de homens vestidos com suas...

Acadêmicos do Tucuruvi

Acadêmicos do Tucuruvi

1. Foi fundada em fevereiro de 1976 com o nome Grêmio Recreativo Acadêmicos do Samba do Tucuruvi. Seus primeiros líderes foram José Leandro, Oswaldo de Salva, Tininho, Nenê da Cuíca e Aldo Amaral. 2. As cores da escola, na...

História dos nomes de 10 escolas de samba paulistanas

História dos nomes de 10 escolas de samba paulistanas

Nenê de Vila Matilde No dia 1º de janeiro de 1949, data da criação da escola, os sambistas que criaram a Nenê chegaram a um impasse: estava tudo pronto para a agremiação ser fundada, só faltava o nome para que o registro fosse feito. Algumas alternativas foram...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This