GESTO DO DEDO DO MEIO

Um gesto ofensivo gigantesco foi colocado em plena praça pública para todo mundo ver. A obra L.O.V.E, do artista italiano Maurizio Cattelan, ficará exposta até o próximo dia 24  na Piazza d’Affari, em frente à Bolsa de Valores de Milão, na Itália. A escultura, que também é conhecida como “O Dedo Médio”, tem gerado controvérsias na Itália, principalmente entre os cidadãos de Milão que se sentiram insultados pela obra de Cattelan. A peça, que começou a ser exibida em setembro, tem 11 metros de altura, e é feita em mármore de Carrara – o mesmo material usado por artistas do Renascimento, como com Michelangelo e Bernini.
Mas o que Cattelan quis dizer quando ergueu esse dedo médio gigante?  Alguns acreditam  que a ideia foi fazer uma crítica ao capitalismo, já que a obra está bem na frente da Bolsa de Valores. Mas o artista negou, e disse em entrevista que seu trabalho foi um ato de amor. Será? Desde a Antiguidade, o dedo médio tem sido usado para ofender. O costume nasceu entre os romanos, e um dos maiores divulgadores do sinal foi o imperador Calígula. Ao apresentar a mão para ser beijada, ele estendia o dedo médio, querendo dizer: “Beije meu pênis”. O povo era obrigado a beijá-la mesmo assim. O sinal também era usado pelos homossexuais romanos como um convite para outros homens como sinal de rendição pelos soldados em batalhas.