Qual foi o primeiro refrigerante sabor guaraná lançado no Brasil? Até prova em contrário, a primazia coube ao Guaraná Cyrilla, de Santa Maria, Rio Grande do Sul, que existe até hoje. No site da empresa, porém, a Cyrilla toma o cuidado de se apresentar como “uma das pioneiras”.

O refrigerante começou a ser fabricado em 1906 a partir de uma fórmula desenvolvida no ano anterior pelo médico Luiz Pereira Barreto, de Resende, Rio de Janeiro. O rótulo aqui diz “desde 1910” porque a empresa só foi registrada oficialmente em 20 de setembro daquele ano.

A Cyrilla foi fundada pelo caixeiro-viajante Frederico Adolfo Diefenthaler, descendente de alemães, e pelo engenheiro químico Ernest Geys, imigrante alemão, que se conheceram numa viagem a Uruguaiana-RS.

Na década de 1990, os fundadores passaram a fábrica para um antigo funcionário, que não conseguiu evitar a falência e fechou as portas em 2008. A Cyrilla só foi reabrir em 2020, quando um trio de empresários da cidade – Luiz Bagolin, Lairton Padoin e José Antônio Saccol – assumiu o negócio. Os três trouxeram de volta também a Cyrillinha, refrigerante à base de casca de laranja, uma paixão da cidade.

Em 1942, em meio à Segunda Guerra, parte da fábrica chegou a ser destruída por causa da ligação dos donos com a Alemanha, e muitos documentos se perderam. Não ficou nenhum registro, por exemplo, sobre o nome Cyrilla e por que a zebra foi escolhida a mascote da marca.

Há quem diga que o Guaraná Pureza, de Santa Catarina, surgiu em 1905 e, portanto, seria o primeiro. A fábrica da Pureza, de fato, foi inaugurada em 1905, mas só produzia cerveja. O guaraná é de 1927. A título de comparação, o Guaraná Antarctica, o mais famoso do Brasil, foi lançado em 1921.