Em 1985, durante as eleições municipais, Eduardo Suplicy (PT), que disputava a prefeitura de São Paulo, compareceu ao debate da Globo levando consigo uma tartaruga e um coelho de pelúcia, símbolos de sua campanha.

No mesmo pleito, o jornalista Boris Casoy perguntou ao candidato Fernando Henrique Cardoso (PSDB) se ele acreditava em Deus. FHC respondeu dizendo que Casoy havia “prometido não fazer essa pergunta”.

Em 1996, uma trapalhada de agenda estragou os debates entre os candidatos do segundo turno à prefeitura de São Paulo. A Bandeirantes e a Globo agendaram seus debates na mesma data. O resultado: Luiza Erundina (PT) compareceu ao da Globo e Celso Pitta (PPB), ao da Bandeirantes.

Um barraco tomou conta do debate entre Paulo Maluf (PPB) e Marta Suplicy (PT) na Bandeirantes em 2000. Os candidatos à prefeitura de São Paulo começaram a se estranhar quando Maluf disse que a adversária era “desqualificada”. Ele acrescentou: “A senhora vai ter que tomar jeito”. No final, ainda disse para a petista “ficar quietinha” e parar de “dar palpites”. Marta não quis ficar por baixo e disparou: “Cala a boca, Maluf!”.

Em 2008, o candidato à prefeitura de Curitiba Lauro Rodrigues (PT do B) cometeu uma série de gafes em um debate da Bandeirantes. Nervoso,  não conseguiu responder às perguntas e chegou a dizer: “Ih, fugiu. Desculpa. Corta (o cronômetro), estou muito nervoso. Peço desculpa ao meu amigo telespectador, é a primeira vez que eu me candidato”.

Em 2010, no debate entre candidatos de São Paulo ao Senado, Marcelo Henrique, do PSOL, fez uma troca de nomes. Ele se atrapalhou ao se referir ao programa “Vai e Volta”, criado pela candidata Marta Suplicy, do PT, à época em que era prefeita de São Paulo. Ele disse que o nome do programa de ônibus escolares era “Leva e Traz”.

Na disputa pelo governo do Distrito Federal de 2010, a candidata do PSC, Weslian Roriz, foi muito criticada por seu desempenho no primeiro debate. A esposa do ex-governador Joaquim Roriz (que teve sua candidatura barrada pela Lei do Ficha Limpa) cometeu uma série de gafes, e disse frases que não faziam muito sentido:

– “Eu sou uma pessoa severamente com essas coisas, porque eu sou de um princípio muito bom. Então eu fui criada com a honestidade na minha casa, na minha família era a coisa primeira que tinha. Então eu não concordo com corrupção. Eu quero defender toda aquela corrupção”. (sic)

– “Olha, doutor Agnelo (Queiroz)… Nós vamos intensificar o combate. Não seria. Não seria o combate. De tudo aquilo que o senhor perguntou pra mim, eu gostaria de dar uma resposta pro senhor muito franca, que eu gostaria que o senhor repetisse pra mim qual foi mesmo a pergunta que o senhor fez”. (sic)

– “Creio que foi a primeira vez que eu venho a um debate. Não tinha vindo. Mas eu fiquei tão feliz de chegar aqui. Aqui é tudo azul, maravilhoso. Já faz com o meu partido que isso seje vitoriosa”. (sic)