Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Gran Circus Norte-Americano: a maior tragédia da história circense

17 de dezembro de 2016

Hoje, dia 17 de dezembro, a maior tragédia da história circense – o incêndio no Gran Circus Norte-Americano – completa 55 anos. O incidente aconteceu em Niterói (RJ) e deixou uma contagem oficial de 503 mortos, embora até hoje não se saiba com exatidão a quantidade de vítimas.

O jornalista Mauro Ventura lançou em 2011 o livro-reportagem O espetáculo mais triste da terra, resultado de uma apuração que durou dois anos e meio. Foram mais de 150 entrevistados, incluindo um dos trapezistas que tinham acabado de se apresentar quando o fogo começou, Santiago Grotto. Danilo Stevanovich, proprietário do Gran Circus Norte-Americano, nada tinha de norte-americano. Seu sobrenome era eslavo. Em 15 de dezembro de 1961, instalou sua tenda em Niterói e começou a anunciar o espetáculo. O Gran Circus anunciava ser “o mais completo da América Latina”, com 150 animais e cerca de oitenta funcionários.

Entre os funcionários, estava Adilson Marcelino Alves, apelidado de “Dequinha”. Acusado de furto, ele foi despedido do trabalho. Depois disso, passou a rondar o circo recém-montado. Embora haja quem defenda que o incêndio foi causado por um curto-circuito, a versão mais aceita é a de que Dequinha, acompanhado de dois amigos, tocou fogo na lona do circo por vingança.

Dois dias depois da estreia, cerca de 3 mil pessoas lotavam as arquibancadas dentro da lona do Gran Circus – a maioria crianças. Faltando 20 minutos para o fim do espetáculo, a trapezista Nena Stevanovich não chegou a concluir o tríplice mortal que tinha prometido fazer. Em vez disso, gritou “fogo!” e iniciou o pânico entre os espectadores.

Depois do grito da trapezista, bastaram 10 minutos para que toda a lona estivesse coberta pelo fogo. Embora a maior parte dos animais estivesse enjaulada, há relatos de que um elefante ferido abriu um buraco de saída enquanto fugia. Enquanto isso, a multidão tentava escapar do incêndio. Os pisoteamentos foram a principal causa de morte na tragédia. Não havia saídas de emergência suficientes – e a lona não era de náilon, como Danilo Stevanovich clamava, mas de um material bastante inflamável.

Dequinha e seus dois cúmplices, Bigode e Pardal, foram condenados à prisão. O acontecimento fez surgirem dois personagens importantes no Brasil: o cirurgião plástico Ivo Pitanguy, que liderou o tratamento das vítimas, e o profeta Gentileza, que deixou sua vida de empresário e passou a viver sob as ruínas do circo. Hoje, no local, funciona um hospital do Exército.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Criador do Cubo Mágico lança livro de memórias

Criador do Cubo Mágico lança livro de memórias

Acaba de ser lançado nos Estados Unidos  “Cubed - The Puzzle of Us All”, livro de memórias do professor de arquitetura húngaro Erno Rubik, que criou o famoso Cubo Mágico - e, por isso, também chamado Cubo de Rubik. Quando inventou o brinquedo, em 1974, Rubik não tinha...

2 Comentários

2 Comentários

  1. aristides marchetti Ribeirão Preto

    Holocausto.
    Houve intenção na ocorrência do evento.
    Todos os participantes foram meros coadjuvantes em um script pronto.

    Responder
  2. Anônimo

    Ele não foi denunciado por furto, ele não roubou nada do circo, ele já havia cumprido pena por furto! E foi denunciado pelo porteiro do circo ao dono. O dono, sabendo que ele já havia cumprido pena por furto, o mandou embora. Ele descobriu tudo e se vingou…

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This