Era o último treino do Flamengo antes da partida contra o Bahia pelo Brasileirão. O técnico Vanderlei Luxemburgo conversava com os jogadores no vestiário, quando um sonoro pum interrompeu a preleção. O que se falou é que  o treinador ficou furioso com o “incidente” e quis descobrir o responsável a todo custo. O autor ficou na dele e não se manifestou. Parece que o episódio deu azar para o clube carioca que, desde então, empatou uma partida e perdeu outras três. A imprensa chegou a atribuir a queda no rendimento ao caso da flatulência.

DICIONÁRIO DO PUM

Para algumas pessoas, pode ser constrangedor falar de gases em público, mas os puns são um assunto e tanto para escritores. David Haviland, por exemplo, tem um livro chamado Why you should store your farts in a jar (“Por que você deveria guardar seus puns em um frasco”), que reúne curiosidades sobre métodos de saúde nojentos ao redor do mundo. Da mesma coleção, o livro Why fish fart (“Por que peixes soltam pum”), de Francesca Gould, tem informações sobre o mundo que com certeza podem deixar alguém enjoado.

Aqui no Brasil,  o Almanaque de puns, melecas e coisas nojentas, escrito por Fátima Mesquita e ilustrado por Fábio Sgroi,  mostra que uma pessoa libera cerca de 2 litros de gás todos os dias por meio de puns!

Almanaque de puns, melecas e coisas nojentas,

Outro autor fascinado por puns é o americano Scott A. Sorensen , que escreveu o Fart Dictionary (“Dicionário de puns”). O livro classifica e descreve, de um jeito bem engraçado, todos os tipos de pum do mundo. Veja alguns deles:

Pum anárquico: um pum emitido de propósito durante um discurso presidencial.
Pum Controle Animal: um pum que cheira como se um babuíno tivesse escapado do zoológico e se escondido em sua casa.
Pum A Feiticeira: um pum que faz você torcer o nariz.

E em qual categoria se encaixaria o pum do treino do Flamengo?

Pum blá-blá-blá: alguém está falando sem parar e você já não consegue prestar atenção, então emite uma interrupção.

Será que foi este o caso?