1. A bandeira da União Europeia foi adotada em 26 de maio de 1986 por todos os países do bloco, sendo formada por doze estrelas douradas dispostas em círculo (símbolo de perfeição, integridade e unidade) sobre um fundo azul (cor representativa do continente). Foi desenhada em 1955 por Arsène Heitz, um pintor de Estrasburgo, na França, sendo aprovada em 8 de dezembro daquele mesmo ano como símbolo pelo Conselho da Europa, que incentivou outras instituições europeias a usá-la. Vale lembrar que o número de estrelas na bandeira não está relacionado com o número de estados membros da União Europeia ao longo de sua história. COMUNIDADE EUROPÉIA BANDEIRA
  2. Uma das propostas rejeitadas como símbolo pelo Conselho da Europa em 1954 foi a chamada “Bandeira dos Oito Anéis”, de autoria do parlamentar francês Robert Bichet. Inspirada na bandeira olímpica e disposta em um fundo azul claro, a ideia era que os anéis prateados simbolizassem a unidade da Europa. Entretanto, o modelo não agradou os membros do conselho, por ser alusivo à imagem de “correntes” (segundo os alemães), “discos” de um telefone antigo (para os italianos), além da ideia de vários “zeros”, tornando o símbolo ambíguo. União Européia - bandeira rejeitada 1
  3. Outra proposta foi a de Carl Weidl Raymon, substituindo os aros prateados por uma única estrela amarela sobre um fundo azul claro, representando a unidade. A proposta foi rejeitada pelo fato de o símbolo ser muito similar à bandeira usada pela Bélgica durante o processo de colonização do Congo (1877-1960). Segundo outras fontes, a bandeira também guardava leve semelhança com o emblema do Texas (EUA) e acabou sendo logo descartada pelos votantes.União Europeia - bandeira rejeitada 2
  4. Em 1953, havia chegado uma proposta para que a bandeira da União Internacional Paneuropeia fosse adotada como símbolo. A bandeira surgiu das mãos do conde Richard Coudenhove-Kalergi, em 1923, quando publicou o manifesto “Paneuropa”, que defendia a ideia de um estado europeu unificado. Sobre um fundo azul estava colocado um disco amarelo e uma cruz em vermelho – representando a cristandade e a glória civilização europeia. Devido ao caráter religioso, o símbolo foi reprovado pela Turquia, que era membro do Conselho da Europa desde 1949. Kalergi ainda tentou adicionar um pequeno crescente vermelho à bandeira, mas não obteve sucesso.União Europeia - bandeira rejeitada 3
  5. Outra bandeira candidata já havia surgido em 1948, quando foi usada pelos membros Movimento Europeu no primeiro Congresso da Europa. O símbolo era composto da letra E alongada na cor verde sobre um fundo branco, como um símbolo de esperança, paz e unidade para o continente. Originalmente, a letra E havia sido projetada na cor vermelha, mas a “bandeira federalista” como também é conhecida, acabou não agradando os membros do Conselho da Europa em 1955. Movimento Europeu no primeiro Congresso da Europa
  6. A bandeira da Bósnia-Herzegovina, adotada em 1998, foi proposta por uma equipe de trabalho liderada pelo diplomata espanhol Carlos Westendorp. A ideia original era que o fundo fosse em azul claro, para lembrar as Nações Unidas, mas acabou ganhando o tom de azul da bandeira da União Europeia, além das estrelas e da cor amarela. O triângulo representa o formato geográfico do país a união de três povos: croatas, sérvios e bósnios. As estrelas e o fundo azul recordam a presença do país dentro da Europa. bandeira da Bósnia-Herzegovina
  7. Antes mesmo de o Kosovo declarar sua independência da Sérvia, foi realizado concurso em junho de 2007 para a escolha da futura bandeira nacional. Uma das regras era que não deveriam ser usados símbolos étnicos, nem as cores nacionais alusivas à albaneses (vermelho e preto) e sérvios (vermelho, azul e branco). Concorreram 700 desenhos, sendo vencedora a proposta de Muhamer Ibrahimi, que apresenta o mapa do país em amarelo sobre um fundo azul. As seis estrelas brancas representam as principais etnias do país: albaneses, sérvios, bósnios, turcos, romanis e goranis.Bandeira de Kosovo

Tiago José Berg, autor de “Bandeiras de Todos os Países do Mundo“, lançado pela Panda Books.