Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Segunda Guerra: os 80 anos da invenção do jipe

8 de novembro de 2021

O Dia Mundial do Jipe é comemorado em 4 de abril. Então, pé na estrada, porque Aí Tem História! Voltemos ao ano de 1940. A Segunda Guerra ainda não era mundial, pois o continente americano – ou seja, os Estados Unidos – ainda não tinha entrado no conflito. Mas era uma óbvia questão de tempo. Para ir se preparando, o governo americano convidou 135 fabricantes para desenvolverem um veículo de guerra.

Prev 1 of 1 Next
Prev 1 of 1 Next

Olha a receita: ele teria que pesar no máximo 454 quilos; ter tração nas quatro rodas; capacidade para quatro soldados e mais armamentos; fácil conversão em veículo de carga, ambulância e o que mais precisasse. Em resumo: teria que ser ágil como uma moto e forte como uma mula. Era um treco que, absolutamente, não existia. Como desgraça pouca é bobagem, um protótipo deveria ser entregue em 49 dias – e 70 exemplares precisariam estar prontos para testes em 75 dias. No final das contas só três empresas aceitaram o desafio, conta o professor Warde Marx: a pequenina Bantam, a Willys-Overland e a Ford.

Bem, plano é plano, vida é vida e o carrinho precisou ficar maior e com o dobro do peso. Feitos testes e mais testes, com cerca de 4.500 unidades, o resultado foi o seguinte: o carro da Ford era o mais fácil de dirigir; o da Bantam, o mais econômico; e o da Willys, o mais potente. Não daria para manter os três modelos.

Por isso, a ordem foi juntar as melhores qualidades do trio num só veículo, que seria fabricado pela Willys. Depois, a Ford teve que entrar na jogada para produzir a mesma plataforma, pois o esforço de guerra demandaria muitos desses… desses… como é mesmo que se chamava o bichinho? Cada protótipo tinha um nome de fábrica. No meio militar era um veículo de uso geral, em inglês “general purpose” – sigla GP, que se pronuncia Jee-Pi. Pelo som, acabou ficando Jeep – e depois Jipe em português.

Há uma história, meio lenda, de que o nome “Jeep” vinha de Eugênio, o Jeep, um personagem mágico das HQs do Popeye, que podia se transformar em qualquer coisa. Enfim, estávamos ali pelo meio de 1941 e a ordem era produzir muitos desses Jeeps, pois a guerra se aproximava – e os Estados Unidos entraram no conflito em dezembro daquele ano.

Os jipes foram um sucesso tão instantâneo que as fábricas foram autorizadas a produzir unidades do modelo CJ (Civilian Jeep, Jipe Civil) para o público interno ainda em 1945, um mês antes do fim da Grande Guerra. Era o primeiro 4X4 prático, que não era caminhão e que logo virou o queridão do agronegócio.

Por aqui, ele começou a ser montado em 1954, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.A Willys só conseguiu registrar o nome Jeep em 1950, depois de uma briga com a nanica Bantam. Mas, a essa altura, o Jipe já ganhara o mundo.

Ah, o 4 de abril não foi escolhido como Dia Mundial do Jipe por causa de algum motivo histórico. O 04 do 04 faz só uma referência à tração 4X4.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Evolução das placas dos carros no Brasil

Evolução das placas dos carros no Brasil

1901 - 1915: não havia nenhuma padronização para as placas dos automóveis. Cada município possuía o seu padrão e cabia aos próprios proprietários emplacarem seus veículos, de modo que não havia obrigatoriedade de cor ou forma. 1915 - 1941: ainda sem padronização...

De onde vem a expressão “chapa branca”?

De onde vem a expressão “chapa branca”?

É muito comum classificar pessoas ou instituições que defendem um determinado governo de “chapa branca”. Isso porque, no modelo antigo de identificação de veículos, adotado até 2017, as placas dos carros oficiais de órgãos públicos eram as únicas na cor branca. Então,...

10 curiosidades sobre carros

10 curiosidades sobre carros

1. O primeiro homem a dar uma volta em uma engenhoca movida a vapor foi o oficial de artilharia francês Nicolas Cugnot. Em 1769, o seu veículo de três rodas alcançou a velocidade de 4 km/h em uma rua de Paris, para - no auge de seu sucesso -...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This