CONCLAVELogo após a eleição de um novo Papa, o sumo-sacerdote anuncia o nome pelo qual será chamado durante seu pontificado. Esta tradição se espelha na Bíblia, que registra em diversas passagens a adoção de novas alcunhas pelos seguidores de Cristo. Uma das mais famosas é a que Cristo rebatiza o apóstolo Simão de Pedro e lhe diz que ele será a pedra sob a qual se erguerá a igreja.

O primeiro pontífice a trocar seu nome foi o Papa João 2º. Ele se chamava Mercúrio, nome de uma divindade pagã. A partir de então, a Igreja Romana passou a estimular a prática para evitar que seu líder tivesse um nome não-cristão. A escolha é pessoal e costuma revelar os rumos do próximo papado.

João é o nome mais recorrente, com 23 papas na história. Não houve até hoje um Pedro 2º, uma vez que adotá-lo seria um sinal de soberba. João Paulo 1º foi o primeiro na história a escolher um nome composto. Sua escolha sinalizava o desejo de seguir o caminho de reformas no estilo de pontificado de seus antecessores.

Leia também: Curiosidades sobre os Papas