REPÚBLICA TCHECA - BANDEIRA
Preparado para trocar seus Atlas, seus globos terrestres, seus mapas e seus livros de Geografia? A República Tcheca, na Europa, efetivou a troca de seu nome no banco de dados de nomes geográficos das Nações Unidas no dia 15 de abril deste ano. O país quer passar a ser chamado agora de Tchéquia e tem seu pedido em processo na ONU desde 2004. Desde sua formação como país, o governo estudava a mudança de nome, motivada principalmente pela confusão feita por estrangeiros entre o país e a Tchetchênia, uma das repúblicas da Federação Russa. “Não é bom quando um país não tem símbolos claramente definidos, ou não consegue dizer claramente qual é o seu nome”, declarou às agências internacionais Lubomir Zaoralek, ministro das Relações Exteriores da República Tcheca, perdão, da Tchéquia.

No começo do século XIX, o então Reino da Boêmia foi incorporado ao Império Austro-Húngaro. A derrota na Primeira Guerra Mundial levou à independência de tchecos e eslovacos. Em 1918, eles se uniram para formar a Tchecoslováquia. Somente em 1993 o país voltou a se dividir em República Eslovaca e República Tcheca. Localizada na Europa Central e contando com 10 milhões de habitantes, a República Tcheca ganhou seu nome em homenagem a “Čech”, líder de uma antiga tribo de eslavos da região da Boêmia e, assim como todos os povos do local, passou a se autodenominar “tcheco”, que significa “seguidores de “Čech”.

O Blog do Curioso contou com a ajuda do professor de geografia Tiago José Berg, autor do livro “Bandeiras de Todos os Países do Mundo”, para preparar uma lista com a história de alguns outros países que mudaram de nome:

Belize Localizado na costa nordeste da América Central, o país – originalmente dos maias – era designado como Honduras Britânicas no período colonial inglês. Em 1964, o Reino Unido permitiu que a região tivesse um autogoverno. Nove anos depois, o local foi rebatizado de Belize e conquistou sua independência em 1973.
Botsuana Botswana é um país do sul da África colonizado pelo Reino Unido e batizado de Bechuanalândia, por causa de um povo local assim chamado, acrescido pelo sufixo inglês land (lândia). O nome atual foi adotado depois da independência em 1966. Em português, Botswana passou a ser escrito como Botsuana.
Burkina Faso O país do noroeste da África chamava-se “Alto Volta” até 1984. A antiga colônia francesa teria sido batizado com esse nome em razão do lago Volta e da parte alta de sua bacia. O novo batismo deu-se por meio das palavras nas línguas more burkina e dioula e significa “país dos homens justos”, mesmo tendo 73% de sua população analfabeta.
Etiópia Antiga Abissínia. O nome derivava do termo medieval árabe Habesch, que significa “raça mestiça/povo mestiço” – designação dada a uma tribo não árabe que habitava a região. Os portugueses mudaram o vocábulo para Abesi e os franceses passaram para Abissin, o mais próximo de Abissínia. Como o termo era pejorativo, o país passou a se chamar Etiópia, palavra usada pelos gregos para se referir às terras e aos povos do sul do Egito. A tradução literal é “país dos homens enegrecidos pelo sol”.
Irã Antigamente, o país chamava-se Pérsia, termo dado pelos gregos aos povos da região natal do herói mitológico Perseu. Em 1935, o monarca Xá Reza Pahlavi alterou o nome para Irã – criado pela derivação de Ayriana que, em sânscrito, significa “nobre”. Até hoje, as duas nominações são utilizadas em diferentes contextos. Politicamente, porém, só é aceito Irã.
Malawi Com tamanho equivalente à soma dos Estados de Pernambuco e Alagoas, a região de Malawi, na África meridional, foi colônia inglesa a partir de 1883. Seu nome era Niassalândia, derivação de nyasa (“lago” na língua local).O país juntou-se à Rodésia do Norte e do Sul formando a Federação da Rodésia e Niassalândia, em 1953. Dez anos depois, a federação foi desfeita sendo que, no ano seguinte, a Niassalândia conseguiu sua independência, tornando-se a República do Malawi.
Myanmar Até 1948, Myanmar cresceu no sul da Ásia com o nome de Birmânia. Com a independência, passou a ser União da Birmânia. Entre 1974 e 1988, o país se chamou República Socialista da União da Birmânia. Quando o novo regime militar tomou posse um ano depois, alterou seu nome para União de Myanmar, reconhecido pelas Nações Unidas e pela União Europeia, mas não pelo Reino Unido e Estados Unidos.
República Democrática do Congo Dono do maior território da África, a República Democrática do Congo era conhecida como Congo Belga. Kongo significa “montanha”, resposta dos nativos quando os primeiros exploradores perguntaram a origens das águas do rio Congo. Em 1960, quando conquistou a independência, o país passou a se chamar da forma qual é conhecido hoje. Em 1971, Mobuto Sese Seko assumiu o controle do país e teve como campanha a mudança do nome para “Zaire” (grande água). Seko deixou o poder e Joseph Kabila começou a governar em seu lugar em 1997. Desde então, o país voltou a ter seu nome original.
Suriname Suriname era conhecido como Guiana Holandesa até sua independência em 1975. O termo guayana significa “terra das águas”, na língua indígena. Já “Holandesa” é decorrente da colonização feita pelo Reino dos Países Baixos. O nome associado ao país recém-independente deriva da palavra surinen ou surinamos, tribo que habitou aquela região antes da chegada de grupos ameríndios no século XIV e da colonização europeia no século XVI.
Tailândia Por seus cidadãos, a Tailândia é chamada de Mueang Thai. Thai costuma ser identificado como “independência” em tailandês, mas a origem do nome está ligada a um grupo étnico das planícies centrais. Mundialmente, a região era denominada de Sião (no sânscrito Syama, que significa “escuro” ou “marrom”). Depois daApós a Segunda Guerra Mundial, Sião adotou o nome Tailândia num momento de instabilidade política. Os moradores traduzem “Tailândia” como “terra da liberdade”, expressando o orgulho do país a ser o único do sudeste da Ásia não colonizado pelos europeus.
Zimbábue Rodésia do Sul foi o nome dado em homenagem ao colonizador inglês Cecil Rhodes. Em 1965, o então primeiro-ministro, Ian Smith, declarou a independência do país de forma unilateral e promulgou uma constituição adotando o nome de República da Rodésia. O reconhecimento só foi feito quinze anos depois, em 1980, com o nome de Zimbabwe, que significa “casa de pedra real”. Tudo por causa de um império da região construído dentro de uma fortaleza de pedra.