O mais importante torneio de futebol interclubes da América do Sul teve início em 1960. Foi criado com o objetivo de selecionar um representante para disputar o título de Campeão Mundial Interclubes contra o vencedor da Copa dos Campeões da Europa.
CONMEBOL LIBERTADORES LOGOMARCA
A disputa recebeu este nome em homenagem aos homens que lutaram pela independência dos países sul-americanos.
Um ano antes do início do primeiro campeonato, em 1959, o dirigente peruano Teófilo Salinas lançou um concurso para a escolha do troféu. Recebeu doze propostas de artesãos da América do Sul. O ganhador foi o imigrante italiano Alberto de Gasperi, dono da joalheria Camusso, em Lima. Alberto foi também responsável pela confecção da primeira taça, feita em prata 925. O livro “Libertadores – paixão que nos une”, do jornalista Nicholas Vital, explica que a peça conta “com um globo de 21 centímetros de diâmetro na parte de cima, onde estão gravados os escudos dos países sul-americanos, cuja liberdade é celebrada”.
livro "Libertadores - paixão que nos une", do jornalista Nicholas Vital

 

O troféu original possuía apenas uma base de 7 centímetros em prata. Não havia ainda espaço para colocação das plaquinhas com os nomes dos campeões. A base em madeira só foi aparecer nos anos 1970.  A base em madeira já foi trocada algumas vezes: 1981, 1991 e 2003. A atual estrutura tem 42 centímetros. Possui espaço para a colocação de plaquinhas até 2024.
TROFÉU DA LIBERTADORES
Atualmente as plaquinhas são padronizadas. São 10 centímetros de largura por 3,5 centímetros de altura). Elas trazem o nome, o país e o escudo do campeão, além do ano da conquista.
Vital conta em seu livro que, em 1990, ano em que o Olimpia, do Paraguai, sagrou-se campeão, a taça ficou seis meses desaparecida. O presidente do clube, Osvaldo Domínguez Dibb, descobriu que o troféu estava escondido na casa do irmão dele, Humberto.
O primeiro campeão da Libertadores foi o uruguaio Peñarol, que passou pelo Olimpia na decisão (1 x 0 e 1 x 1).