• Em todas as partidas são testados pelo menos dois jogadores de cada equipe.
  • O sorteio é feito depois da marca de 30 minutos do segundo tempo, na presença de um delegado da CBF e de um representante de cada time.
  • Quando um jogador sofre uma lesão grave, ele não participa do sorteio de doping.
  • O volume mínimo de urina a ser coletado é 75 mililitros. Caso o jogador não consiga atingir esse volume na primeira tentativa, tem uma segunda chance para completar.
  • Há três principais excessões para o uso de medicamentos proibidos: jogadores asmáticos, hipertensos e diabéticos.
  • A urina do jogador é dividida em dois frascos, mas, a princípio, apenas o primeiro é analisado. O segundo só é analisado caso a equipe conteste o primeiro resultado.

Livro conta a história do êxodo dos jogadores brasileiros.