Estou em Lisboa! Quando entrei no avião a caminho daqui, recebi um exemplar de um jornal portugês. Na página de esportes, uma nota dava conta que apenas 10 mil dos 53 mil ingressos para o jogo Portugal x Hungria, no Estádio da Luz, haviam sido vendidos. Era um jogo chave para as pretensões de Portugal disputar a Copa de 2010. Ao desembarcar em Lisboa, larguei as malas no hotel e fui para as bilheterias. Consegui ingressos apenas para o anel superior. Paguei 15 euros pelo lugar na parte central (atrás dos gols, os ingressos mais baratos custam 10 euros). Era a chance de ver Cristiano Ronaldo em ação.

CRISTIANO RONALDO
A estação de metrô mais próxima fica a 500 metros da entrada. Como os ingressos são numerados (que maravilha!), todos deixam para chegar em cima da hora. foi meio tumultuada. Mas cheguei a tempo de ver a entrada dos times, as vaias para o técnico Carlos Queiroz e a execução dos hinos. Cristiano Ronaldo ficou em campo apenas 25 minutos porque sentiu uma contusão. Mas foram deles os melhores momentos de Portugal. Quando o camisa 7 saiu, os portugueses caíram de produção. No final do primeiro tempo, quase a retranqueira Hungria empatou.


Durante o jogo, não há sorveteiros ou pipoqueiros passando na sua frente. No intervalo, o público sai para comprar cachorro-quente, cerveja sem álcoool, refrigerante, pipoca, sorvete. Eu experimentei as queijadinhas típicas de Sintra -cidade turística próxima a Lisboa. Uma delícia! Começa o segundo tempo. A torcida grita o tempo todo: “Pur-tu-gal! Pur-tu-gal!” ou “Só mais um!” Portugal obedeceu: ganhou por 3 x 0 – dois de Simão Sabrosa e um do brasileiro Liédson e eu, feliz, comprei o cachecol comemorativo do jogo por 5 euros na saída.