Começou!
Pequim escolheu o dia 8 de agosto de 2008 para a abertura dos Jogos Olímpicos porque o 8 é o número que representa a prosperidade (explica-se:”ba” é o mesmo som para o 8 e para a palavra riqueza). Esse foi também o dia escolhido por 16 mil casais pequineses para celebrar o casamento. Fui até um cartório no bairro de Chaoyang. Só ali eram 3 mil casais inscritos. Tanta gente que o cartório teve que alugar o auditório do hospital do outro lado da rua. Os casais foram divididos em turmas, das 6 da manhã ao meio-dia. Os números das senhas foram colocados num painel cor-de-rosa, que servia também de cenário para as primeiras fotografias dos pombinhos.

Os trajes eram os mais informais possíveis. Tinha noivo de havaiana, chinelão, camiseta, bermuda. Os mais descolados usavam pares de camisetas.


Os noivos seguiam as ordens de uma mulher que usava um megafone. Em fila, entravam no auditório e procuravam uma atendente livre. A taxa era de 9 yuans (R$ 2,25). Assinavam os papéis e recebiam as certidões – uma para cada um, mas com as fotos dos dois em ambas. As certidões lembram passaportes. Os noivos ganhavam ainda balinhas. O processo todo não levava mais que 5 minutos. Era o “fast-casamento”!

Na saída, ainda havia tempo para mais tradições. Os noivos escreviam seus nomes num grande painel.

A cena final era uma foto num cenário especialmente produzido. Os pombinhos faziam cenas realmente divertidas. Faziam corações com as mãos, as noivas subiam nas costas dos noivos… Alguns faziam de conta que estavam se beijando. Faziam de conta mesmo! Os lábios não se encostavam. Chineses não se beijam em público. Nem mesmo aqueles beijinhos de saudação.

Muitos casais só queriam o carimbo com a data de hoje por causa da superstição. As festas estão marcadas para outras datas (aí, com certeza, estarão mais arrumadinhos). Mais uma curiosidade: na tradição chinesa, os recém-casados são recebidos em casa com a cama coberta de grãos de arroz ou feijão. É o jeito de desejar que o bebê venha logo.