Dá para dizer que a paixão dos brasileiros por carros começou na década de 1950, quando o presidente Juscelino Kubitscheck iniciou os investimentos na indústria automobilística do país, permitindo o surgimento dos primeiros modelos fabricados por aqui. Como era um ramo novo e experimental, muitos carros circularam por poucos anos, saindo logo de linha.  Ao longo dessa história, apareceram também carros curiosos, que hoje já são peças de museu.

O Blog do Curioso relembra de alguns:

Romi-Isetta

Romi-Isetta

O primeiro carro fabricado em série no Brasil foi o compacto Romi-Isetta, lançado pela empresa Romi no dia 5 de setembro de 1956. Com apenas 2,28 metros de comprimento e 350 kg, o carrinho ficou conhecido por só ter uma porta, dois lugares e três rodas (isso mesmo: duas dianteiras e uma traseira). O Romi-Isetta atingia 85 km/h, uma boa velocidade para seu tamanho. Era produzido numa fábrica em Santa Bárbara D’Oeste (SP), que fechou as portas em 1961 por problemas financeiros.

Chambord

CHAMBORD

A fábrica brasileira da empresa francesa Simca instalou-se no Brasil em 1958, em São Bernardo do Campo (SP). Em março de 1959, foi lançado nas ruas do país o primeiro Chambord, carro espaçoso de carroceria resistente, que chegava a 135 km/h. Era o mais luxuoso do mercado brasileiro. Ficou tão popular que foi adotado pelo Inspetor Carlos, do seriado de TV “O Vigilante Rodoviário”. Em 1967, a Simca foi comprada pela Chrysler, que cessou a produção do Chambord.

Leia também: 10 curiosidades sobre “O Vigilante Rodoviário”

FNM JK 2000

FNM

Lançado em 21 de abril de 1960, o FNM JK 2000 foi o primeiro Alfa Romeo brasileiro. Batizado em homenagem ao presidente Juscelino Kubitscheck, o carro se destacou no mercado de luxo. Seu estilo seguia as tendências europeias de conforto: os encostos dos bancos dianteiros reclinavam até a horizontal. Em 1964, o regime militar exigiu a retirada da sigla JK do nome do carro. O então FNM 2000 atingiu seu pico de produção em 1970, deixando de ser fabricado somente em 1986.

Gordini

GORDINIEm julho de 1962, a Willys Overland lançou o Gordini, carrinho compacto de apenas 4 metros de comprimento, que surpreendentemente exibia quatro portas. O carro foi um sucesso de crítica logo que chegou ao mercado, devido à sua potência (chegava a 130 km/h) e economia de combustível. Ganhou o apelido de “Teimoso” por vencer uma prova de resistência de 50 mil km no Autódromo de Interlagos. Mas também era chamado de “Leite Glória”, por ter baixa durabilidade (o slogan do leite em pó era “desmancha sem bater”). O último a ser fabricado foi o Gordini IV, em 1968, quando a empresa foi absorvida pela Ford.

Uirapuru

UIRAPURU

Chegou ao mercado em 1965. O modelo Uirapuru, um carro esportivo genuinamente brasileiro fabricado pela Brasinca, era um automóvel diferente, personalizado e com um desenho bem moderno para a época. Apenas algumas unidades foram fabricadas, mas o Uirapuru ficou marcado por ter atingido um feito até então inédito para carros populares no Brasil: chegou a 200 km/h no Autódromo de Interlagos (SP).

GTB

GTB

“Puma: o privilégio autenticamente brasileiro”. Era assim o slogan da fábrica que, em 1971, lançou no mercado do país o modelo de carro GTB, que combinava uma carcaça leve com uma mecânica sólida, atingindo até 170 km/h. O GTB marcou os anos 70 no Brasil, e ainda tem uma legião de fãs. A produção dos carros Puma sofreu um forte declínio na década de 1980, sendo totalmente interrompida em 1990.

SP2

SP2

Em 1969, Rudolph Leiding, presidente da Volkswagen do Brasil, deu início ao projeto genuinamente nacional de um carro esporte de carroceria leve. Lançado em junho de 1972, o resultado recebeu as iniciais da cidade de São Paulo, onde foi confeccionado. O SP, que também remetia à expressão inglesa “Sport Prototype” (“protótipo esportivo”), deu origem ao SP2, que atingia um máximo de 160 km/h, potência considerada fraca para a categoria. O SP2 foi o carro nacional de série mais baixo já produzido: media apenas 1,16 metros. Saiu de linha em 1976.

Fúria

FÚRIA

O carro esportivo Fúria foi criado em 1976 pela Bianco (carroceria) e a Volkswagen (motor). Logo virou sensação dos autódromos; não por ser muito potente, mas pelo design refinado para a época. Quem o projetou foi Toni Bianco, que assinou também o projeto do primeiro carro nacional de Fórmula 3. Na década de 80, a fábrica da Bianco fechou suas portas.

Santa Matilde

SANTA MATILDE

Lançado em 1977, o Santa Matilde foi projetado pela filha de Humberto Pimentel, dono de uma fábrica de componentes ferroviários. Em 1975, o governo brasileiro proibiu a importação de automóveis. Isso fez com que a procura pelo GTB aumentasse, influenciando Humberto a montar um automóvel próprio. O carro foi apresentado no Salão do Automóvel de 1978, tornando-se objeto de desejo da alta sociedade. Chegou a custar mais que um Landau e o dobro de um Opala Diplomata, o que lhe rendeu o título de mais caro carro nacional. A produção do modelo começou a cair na década de 80. Em 1989, poucas unidades foram produzidas e, em 1997, apenas uma – o último Santa Matilde.