O chester é um dos pratos mais populares na ceia de Natal no Brasil. Você já viu um chester? Não a ave congelada, mas e a ave viva! Pouco se sabe sobre a vida do chester antes de chegar à mesa. Existem muitas teorias a respeito delas. Algumas pessoas comentam que é uma aberração, um animal inventado pelo homem, geneticamente modificado. Alguns dizem que é um bicho que vive em um compartimento com uma gosma parecendo uma placenta e que o animal não tem cabeça. Outras pessoas falam que ele é forçado a comer 24 horas por dia para ganhar peso rapidamente. Ou seja, seria um monstro de bico e penas!

“Não é nada disso”, afirma o biólogo Guilherme Domenichelli, autor do livro “Girafa tem torcicolo?“. O chester nada mais é do que um frango grande. Ele é vendido desde o ano de 1983 pela empresa de alimentos Perdigão. Na época, o chester foi lançado para concorrer com a Sadia, que vendia muito bem o peru congelado. Só que o chester não é um frango comum. Mede 60 centímetros de altura e pesa cerca de 4 quilos. É uma raça diferente de frango. É isso mesmo: existem raças nos frangos, assim como nos cachorros e nos gatos.

O chester é um frango selecionado por cruzamentos. O primeiro “frangão” foi importado dos Estados Unidos pela Perdigão em 1979 e, um ano depois, deu origem ao chester por meio de  melhoramento genético . O uso dessa técnica é muito comum na indústria de alimentos. A ave especial é resultado do cruzamento das melhores linhagens de frango existentes no mercado. Graças a esse trabalho, a ave que conhecemos hoje se diferencia das demais por oferecer mais peito, ou seja, a parte nobre da ave. É dai que veio seu nome. Chest é peito em inglês e o sufixo “er” mostra uma qualidade em grau maior. Seria algo como “o maior peito”. Chester é uma marca registrada pela Perdigão e não pode ser usada por outras empresas.

Mas é uma ave cheia de hormônios? Não são usados hormônios para crescimento do chester nem das outras aves que consumimos. Primeiramente, porque o uso é  proibido por lei  no Brasil desde 2004. Segundo a Perdigão, a alimentação do chester é 100% natural, baseada em milho e soja, “sem adição de qualquer tipo de medicamento, antibiótico ou hormônio anabolizante para aumentar o seu crescimento e desenvolvimento”. A Perdigão não divulga imagens do chester vivo, e as informações disponíveis são escassas. Sua produção é controlada e a venda paralela é proibida, para manter o bicho exclusivo da marca Perdigão.