Acaba de cair em minhas mãos uma pequena joia chamada “Those who listen, change the world” [Aqueles que ouvem mudam o mundo], escrito por Chro Borhan, Conselheira de Diálogo do Nobel Peace Center, da Noruega, que lançou o livro no ano passado.

Chro começa apresentando oito princípios, que, juntos, podem criar um bom diálogo. São eles: 1. A conversa deve ser uma atitude básica; 2. Crie espaços em que as pessoas sejam tratadas como iguais e com respeito, abertura e curiosidade; 3. Inclua todas as partes relevantes; 4. Num diálogo, você deve ouvir; 5. Deixe que todos compartilhem suas experiências; 6. Faça perguntas; 7.Fale sobre os temas difíceis; 8. Contribua para o perdão e a reconciliação.

Num momento que nunca se falou tanto e também nunca se ouviu tão pouco, é importante prestar atenção especialmente no capítulo 4. Chro escreveu: “Em situações de conflito, pode ser especialmente útil ouvir diferentes elementos de uma história – fatos, sentimentos e necessidades”.

Ao final de cada capítulo, a autora dá uma série de dicas para o leitor sobre aquele determinado assunto. Tomo a liberdade de compartilhar as sugestões para quem deseja aprender a ouvir num diálogo:

1. Ouça o que está sendo dito. Não deixe que seus próprios pensamentos e preconceitos interfiram na sua capacidade de ouvir. Suas percepções podem facilmente levá-lo a julgar os outros muito antes de eles terminarem de falar e, assim, limitar suas habilidades de escuta.

2. Não dê conselhos – a menos que seja solicitado.

3. Não interrompa. Deixe a outra pessoa terminar de falar.

4. Não capture a conversa traçando paralelos com suas próprias experiências. Dê tempo à outra pessoa; você terá o seu.

5. Seja empático e demonstre compreensão pela situação da outra pessoa. Ser empático significa compreender os sentimentos do outro, sem necessariamente senti-los você mesmo.

6. Não presuma conhecer a opinião de outras pessoas.