Papai Noel está sendo atacado por ter tomado a vacina contra o Covid-19. A cena aparece no comercial de final de ano da rede de supermercados Tesco, do Reino Unido. No comercial, intitulado “This Christmas, Nothing’s Stopping Us” [Neste Natal, nada vai nos segurar], as pessoas participam de festas e confraternizações, depois de um Natal remoto no ano passado. Numa das cenas, o Bom Velhinho aparece no controle de fronteira de um aeroporto e é liberado depois de mostrar seu passaporte da vacina no celular. Só assim pode entregar presentes em todo o mundo.

O filme de Natal da Tesco gerou críticas da turma antivacinação. Na primeira semana de veiculação, o comercial teve 22 mil votos negativos contra apenas 2.100 curtidas no YouTube. A entidade que regulamenta a publicidade no Reino Unido recebeu 1.500 reclamações. Já é o reclame mais reclamado do ano.  A maioria das acusações sustenta que o filme publicitário é “coercitivo e [encoraja] a discriminação médica com base no status da vacina”.

Em resposta aos antivacinas, um porta-voz da Tesco disse: “Respeitamos as opiniões de todos e sabemos que o Natal é uma época extremamente importante para muitos de nossos clientes. Depois dos acontecimentos do ano passado, isso é mais verdadeiro do que nunca.”  A empresa ressalta que o comercial “reflete as regras e regulamentos atuais sobre viagens internacionais”.