A PRIMEIRA

 COPA DO MUNDO

Copa do Mundo de futebol masculino foi disputada entre 13 e 30 de julho de 1930. Foram treze países participantes (apenas essa e mais duas Copas tiveram número ímpar de países, em 1938 e 1950).

A primeira

foram disputados em três estádios da cidade  de Montevidéu: Centenário (capacidade: 90 mil pessoas), Gran Parque Central (20 mil)  e Pocitos (1 mil).

Todos os jogos

para a qual não houve torneio eliminatório. Os participantes receberam convites. França e a Bélgica foram os únicos países fundadores da Fifa que participaram. Os outros seis recusaram. O motivo foi a distância entre a Europa e o Uruguai, que implicava em uma viagem de 15 dias de navio.

Foi a única Copa

também recusou, por  ser contra o profissionalismo dos esportes. Sete  países participantes  eram sul-americanos.

A Inglaterra

foi a única em que houve  um desfile de abertura com  as seleções, porque todos  os jogos foram realizados  na mesma cidade. Nas  demais Copas, por haver várias sedes, isso não  foi mais viável.

A Copa de 1930

em uma Copa do Mundo  foi marcado por Lucien Laurent, da França, no dia  13 de julho. Sua equipe venceu o México por 4 x 1,  e o gol foi marcado aos 19 minutos do primeiro tempo. Laurent era empregado da Peugeot e viajou com autorização da automotiva.

O primeiro gol

fez dois jogos (1 x 2 para a Iugoslávia e 4 x 0 contra  a Bolívia) e terminou em sexto lugar. Acontece  que não jogamos com  nossa força máxima.

O Brasil

o Preguinho, marcou o  primeiro gol do Brasil em  Copas do Mundo. Foi na  derrota para a Iugoslávia.  Ele era filho do escritor  Coelho Netto e jogava como meio-campista do Fluminense.

João Coelho Neto,

Iugoslávia 4 x Bolívia 0, os bolivianos tentaram ganhar  a simpatia da torcida local escrevendo "Viva Uruguay"  nas camisas do time para a clássica foto posada. Porém,  o jogador que leva uma das letras U não entrou na foto e a mensagem ficou "Viva Urugay". Em seguida, foi feita a foto com  a formação completa.

Antes do jogo

(Confederação Brasileira de Desportos), a Associação Paulista de Esportes Atléticos - que controlava o futebol de São Paulo - não liberou seus atletas para a competição. Os paulistas não aceitaram o fato de ficarem sem representante na comissão técnica da Seleção. Por isso, o craque Arthur Friedenreich, o "Pelé" da época, foi deixado de fora.

Em briga com a CBD

a participar foi Araken Patusca, que estava sem clube no momento da convocação.  A CBD teve que escalar um time todo carioca. A rivalidade entre os torcedores dos dois Estados era tão forte que uma pequena multidão de paulistas se aglomerou em frente aos jornais da cidade para comemorar a derrota do Brasil diante da Iugoslávia na estreia.

O único paulista

o Brasil utilizava a camisa branca com gola polo, punhos azuis. A camisa branca estava associada ao título sul-americano de 1919, no Rio de Janeiro. O Brasil só começou  a usar a camisa amarelo-ouro, com com gola polo  e punhos azuis.

Na Copa de 1930,

Ilustração: Otávio Bressane Livro "100 camisas que contam as histórias de todas as Copas" (Panda Books)

o centroavante uruguaio Héctor "Manco" Castro recebeu um telefonema anônimo. A voz dizia que, se o Uruguai perdesse, ele receberia 50 mil pesos. Se ganhasse, ele seria morto. O Uruguai ganhou da Argentina por 4 x 2.

No dia da final,

o último gol. "Manco" em espanhol significa "maneta". Castro não tinha uma das mãos, devido a um acidente causado na infância.

Manco marcou

COMO FOI CRIADA

A COPA DO MUNDO